Viagem pra Dentro

Viajar com propósito: como dar mais significado às suas viagens

Viagem pra Dentro | 18/06/20 | Atualizado em 03/08/20 | Deixe um comentário

Você viaja só por viajar ou com algum objetivo em mente? Já parou pra pensar sobre suas motivações ao fazer as malas? Costuma refletir sobre como viajar com propósito e tornar a experiência mais significativa?

Muitas perguntas, né? Começo por mim: confesso que nem sempre pensei no propósito das minhas viagens de forma consciente. Mas depois de alguns anos de estrada, percebi que ter uma motivação especial relacionada ao meu momento de vida faz toda a diferença.

Viajar me transformou muito, mudando minha visão de mundo e me ajudando a lidar com o medo de sair da zona de conforto. Mas nem todas as viagens que fiz foram significativas, e vejo o mesmo acontecer com muita gente.

Afinal, viagens são bens de consumo. E por mais que se fale hoje em dia em “colecionar experiências, e não coisas”, experiências também podem ser vazias.

Por que fazer uma viagem com propósito

Outra frase que escuto muito é que “ninguém volta de uma viagem sendo o mesmo que era antes”. Vou logo admitir: acho isso uma baita mentira. Acredito, na verdade, que na grande maioria dos casos os viajantes retomam a rotina sem mudanças significativas na sua forma de ser ou de ver o mundo.

Inclusive porque, mesmo querendo, não é sempre é fácil se transformar. Mas além disso, me parece que muitas vezes essa nem é uma intenção consciente por trás das nossas decisões de viagem.

Se você é dos que dizem que preferem colecionar momentos a objetos, que momentos está escolhendo viver? Os que fazem sentido pra você ou que gostaria de mostrar aos outros? Os que respondem às suas necessidades ou o que simplesmente vai acontecendo?

Como diz esse texto do site Sapien Livre, “Qual a diferença de consumo entre pagar caro em um smartphone ou em uma viagem para o exterior se não existe nenhum propósito?”.

Não quero dizer que seja errado comprar ou viajar por puro entretenimento. Mas será que pelo menos algumas das suas viagens não seriam mais legais se fossem além disso?

Será que você está viajando pra viver experiências marcantes ou apenas pra fugir da rotina, postar fotos no Instagram e contar pra os amigos, ou porque internalizou que viajar é algo legal a se fazer?

Já falei bastante aqui sobre a importância de sermos viajantes conscientes no sentido de pensar sobre nosso impacto nos lugares que visitamos. Mas também acho importante a consciência em relação a nós mesmos. Pare e pense: sua forma de viajar faz sentido pra você ou está no “modo automático”?

Ao escolher um destino, você reflete sobre suas necessidades e desejos ou simplesmente escolhe um lugar famoso, ou que alguém recomendou? Durante a viagem, se limita a seguir itinerários pré-definidos ou procura realizar algo além do turismo propriamente dito?

Especialmente pra quem viaja com frequência ou faz uma viagem longa, a importância de ter um propósito costuma ficar mais e mais evidente com o passar do tempo. Afinal, depois de aumentar sua contagem de cidades ou países e viver algumas experiências dignas de “bucket list” (e de contar na mesa de bar pra os amigos), as viagens podem começar a perder o sentido.

viajar com propósito

Leia também:
10 dicas para quem vai fazer um mochilão longo

O que significa viajar com propósito?

Muito se fala sobre o benefício de viver com um propósito, termo que pode ser interpretado de diferentes formas. Mas, no meu ponto de vista, tem a ver com entender quais valores são mais importantes pra você e fazer escolhas alinhadas com eles.

É sobre identificar o que faz sentido pra sua trajetória de vida, sabe? Em vez de ligar o piloto automático e ficar dia após dia executando um monte de tarefas pra alcançar objetivos que talvez nem lhe interessem de verdade. Como quem passa a maior parte do dia trabalhando com algo que não curte pra comprar coisas que não lhe fazem feliz.

Vale ressaltar que poder escolher um propósito de vida e colocá-lo em prática é um grande privilégio. Afinal, num mundo extremamente desigual, mais da metade das pessoas luta pra simplesmente sobreviver.

Mas considerando que você tenha seus direitos básicos garantidos, viver uma vida com mais significado parece fazer todo sentido, né?

Não é diferente no caso das viagens. Pegar a estrada, seja pra pertinho de casa ou pra o outro lado do mundo, costuma ser muito mais recompensador quando você escolhe entender o que é mais importante pra você. Sabendo, é claro, que isso também pode mudar com o tempo.

Viajar com propósito pode se traduzir de diversas formas e não estou aqui pra dizer o que se encaixa ou não no conceito. Mas, da forma em que o enxergo, a ideia é fazer uma viagem mais focada, tendo sempre em mente prioridades que têm um significado especial pra você. Sabe aquilo que faz os olhos brilharem e um sorriso se abrir como mágica só de pensar? É isso.

Como viajar com propósito

Pra muita gente, a primeira coisa que vem à mente quando se fala em viagem com propósito é a ideia de contribuir com um projeto social. O volunturismo (voluntariado de curto prazo durante viagens) está em ascensão e pode parecer a resposta perfeita pra dar mais significado à sua experiência.

No entanto, vale ressaltar duas coisas. A primeira é que nem toda viagem com propósito precisa envolver voluntariado. E a segunda é que nem todo voluntariado traz benefícios pra as comunidades.

Pra entender isso, recomendo ler os textos que escrevi sobre voluntariado no exterior: Por que você pode atrapalhar mais do que ajudar e Como fazer volunturismo de forma ética.

“Ah, então significa que meu propósito não pode estar relacionado a ajudar o lugar visitado?”. Claro que não! É possível (e desejável, eu diria) viajar com o objetivo de provocar um impacto positivo nos destinos. Só que existem muitas formas de fazer isso, desde que você viaje de maneira responsável.

Pra entender melhor o que significa ser um turista responsável, veja tudo que já publiquei aqui no blog sobre o assunto. Se preferir, vá direto no post com dicas pra ser um turista consciente.

E tendo em mente que você pode (e, insisto, deve!) tentar provocar um impacto positivo com diferentes tipos de itinerários e atividades, o leque das “viagens com propósito” fica bem amplo.

Você pode ter como motivação fazer um mergulho profundo na cultura de um país que lhe interessa muito, por exemplo. Assim, seu roteiro pode incluir atividades como aprender o idioma local, fazer cursos de culinária, escutar músicas produzidas ali, conversar com as pessoas pra entender sobre sua realidade, estudar sobre a história do país…

Outro exemplo de propósito pode ser mais conectado à sua jornada individual, como desenvolver sua espiritualidade. Ou então ir pra um lugar tranquilo pra escrever um livro, tirar fotos pra seu portfólio, passar um tempo numa fazenda de permacultura pra se reconectar à natureza ou fazer cursos de mergulho e decidir se quer trabalhar com isso…

viajar com propósito

Também tem quem viaje pra conhecer sua ancestralidade, ou pra aprender com povos originários sobre seus saberes tradicionais. Na minha viagem pra Amazônia, por exemplo, meu grande objetivo era conhecer um pouco das nossas raízes.

Depois de ter visto como a cultura indígena é importante pra os mexicanos, senti falta de viver isso por aqui. E ao perceber como as influências africanas são apagadas no nosso dia a dia, resolvi ir conhecer parte do continente (meta que ainda não cumpri).

Outra forma de viajar com propósito é ir pra um lugar que costuma ser representado de forma muito estereotipada na mídia com o objetivo de tentar entender sua complexidade in loco. Tenho amigos que foram pra Cuba ou Oriente Médio por causa disso, por exemplo.

Você pode, ainda, viajar com o propósito de se desafiar. Me forçar a sair da zona de conforto, por estar acostumada a viajar pra lugares mais “fáceis”, foi meu maior objetivo quando fui passar dois meses na Índia. E me desafiar física e mentalmente era a principal motivação quando fiz a Travessia do Pati.

Pra descobrir qual pode ser seu propósito na próxima viagem (ou próximas), olhe pra dentro. Ver relatos de viagens de outras pessoas ajuda muito, mas não pare por aí. Pergunte-se: esse destino mexe comigo? Me sinto realmente entusiasmado ao pensar nessa viagem? Essa experiência complementa meus interesses? Ela está alinhada com minhas prioridades atuais?

Benefícios de viajar com propósito

Caso você tenha chegado até aqui e ainda não tenha se convencido de como é massa viajar com propósito, vou te dar mais alguns motivos:

Fazer uma viagem mais imersiva

Se seu propósito na viagem for “mergulhar” num assunto específico ou na cultura do lugar, essa vantagem é óbvia: a experiência vai ser bem mais imersiva que a de quem só passa por ali a turismo.

E isso vale até pra viagens curtinhas. Afinal, com pouco tempo disponível e a vontade de ver tudo que dizem ser “obrigatório”, é difícil ir além da superfície. Mas se você escolher um aspecto pra se aprofundar, certamente vai formar conexões mais fortes com a cultura e as pessoas.

Leia também:
Vamos parar de falar em “atrações imperdíveis” em viagens?

Conhecer mais pessoas

E falando em pessoas, é provável que seu propósito lhe coloque em contato com várias delas. Seja fazendo aulas, realizando um trabalho voluntário ou fazendo perguntas pra explorar seus interesses, você vai ser “obrigado” a conhecer gente. E, em alguns casos, a conviver com essas pessoas diariamente e formar relações mais profundas.

Além disso, quando as pessoas percebem que você tem um interesse especial pela cultura delas ou está numa jornada de aprendizado sobre algo que também as interessa, elas tendem a ficar mais abertas pra trocas.

Se você for a um restaurante e perguntar ao cozinheiro detalhes sobre os pratos que comeu, por exemplo, é possível que ele o convide pra assistir à preparação. E no processo, você pode até acabar fazendo um amigo.

Mas é claro que se seu propósito for ficar só pra “viajar pra dentro”, ou pra se dedicar a alguma atividade individual, isso também é possível. Com o propósito claro em mente, fica também mais fácil fazer escolhas nesse sentido sem auto cobrança ou peso na consciência.

Mergulhar pra dentro de si

Uma das minhas principais motivações pra viajar sozinha é quase sempre a “viagem pra dentro”. Longe da rotina e das pessoas com quem costumo conviver, passo por interessantes processos de autoconhecimento. Mas não acho que pra isso baste pegar a mochila e cair na estrada sem companhia. É preciso fazê-lo com intenção. Com o propósito de se conhecer melhor.

No e-book Viagem com Propósito, a autora Paula Quintão lembra por que isso é tão importante: “Cuidar de nós, nos autoconhecer, nos desbravar por dentro, não nos parece algo urgente. Dar conta do trabalho pode ser considerado urgente, assim como atender às demandas da família, participar das comemorações com os amigos… Tudo isso pode parecer urgente. Mas desenvolver nosso autoconhecimento, não. Por isso, tendemos a adiar as viagens com propósito que nos priorizam”.

Usar bem seu dinheiro

Ter um propósito também pode ajudar a economizar, ou pelo menos usar o dinheiro de forma mais proveitosa. Afinal, em vez de pagar por vários passeios e atrações turísticas que não significam muito pra você, numa viagem com propósito você investe naquela motivação específica.

Ou seja: o dinheiro não é gasto de forma impensada, mas sim em equilíbrio com seus valores, desejos e necessidades. E se, durante a viagem, bater a dúvida sobre pagar ou não por algum produto ou experiência, você tem uma espécie de bússola pra se orientar e decidir: isso contribui pra o que você foi fazer ali?

Lidar melhor com os obstáculos

O propósito pode, também, ajudar a lidar de forma mais tranquila com os desafios que venham a surgir. Afinal, viagens podem ter momentos difíceis, frustrantes ou estressantes. Dificilmente tudo vai sair 100% como o planejado. Mas quanto mais você entende por que está ali, mais fácil enfrentar as dificuldades.

Ser mais consciente do seu impacto

Não existem garantias, mas uma tendência nas viagens com propósito é que o viajante fique mais ciente não só do que é importante pra si mesmo, mas também do seu impacto naquele lugar.

Numa viagem assim, suas escolhas de hospedagem, passeios, transportes e outros aspectos da viagem devem estar alinhados com sua motivação. E ao pensar bem sobre isso, fica mais fácil atentar-se à ética de cada decisão.

Evitar o turismo de massa

Além disso, viagens com propósito costumam divergir dos roteiros padrão do turismo de massa. Afinal, experiências pré-moldadas pra agradar a um público muito amplo provavelmente não vão atender aos seus anseios individuais.

E além de lhe trazer vivências mais autênticas, evitar as opções mais óbvias ajuda a desafogar lugares que sofrem com o overtourism (turismo em excesso). E isso pode aumentar sua contribuição pra comunidade, ao levar renda pra pequenos empreendedores em vez de grandes agências e redes de hotéis internacionais.

sair da rota do turismo de massa pode ser bom para você e para o destino

Criar memórias marcantes

Quando me perguntam quais são meus lugares preferidos, costumo responder que isso tem menos a ver com o destino e mais com as memórias que construí.

As viagens mais lindas da minha vida tinham um propósito. Desde estudar um idioma a experimentar a vida no campo, entender mais sobre fatos históricos específicos, me reconectar com minhas raízes ou sair da zona de conforto.

Como resultado, tenho lembranças que vão muito além de momentos divertidos ou paisagens bonitas. Foram vivências que contribuíram muito pra pessoa que sou hoje.

É claro que uma viagem totalmente despretensiosa pode ser incrível e marcada por acontecimentos especiais. Mas quando temos um propósito em mente, é mais fácil ir além do superficial e viver coisas dignas de lembrar pelo resto da vida.

Ressalvas sobre viajar com propósito

Pra encerrar, duas observações importantes:

  1. Não crie expectativas muito altas sobre o tal propósito
  2. Não espere que ele permaneça imutável

Não dá pra esperar que uma viagem seja a cura mágica pra todos seus problemas, mude radicalmente sua vida ou lhe transforme numa pessoa iluminada. Mudanças profundas geralmente acontecem por uma combinação de fatores, e por mais “intenção” que você tenha, não dá pra prever o que vai acontecer.

Talvez o projeto de voluntariado em que você se inscreva não seja como esperado. Pode ser que na prática você não tenha tanto interesse em aprender japonês. E talvez você não viva um enredo digno de Comer Rezar Amar, mas tudo bem. Lembre-se que isso é a vida real, e não um livro ou filme.

Nem sempre uma viagem vai provocar, por si só, uma grande revolução na sua vida. E se isso acontecer, certamente será de formas que você nem imaginava.

No fim das contas, ter um propósito é importante pra direcionar nossas ações. Mas de nada adianta se não estivermos abertos pra acolher o que a vida nos apresenta, aprender com o que não controlamos e, inclusive, mudar de propósito quando algo não fizer mais sentido.

E você, considera que faz viagens com propósito? Me conta nos comentários!

como fazer uma viagem com propósito

Posts Relacionados

0 Comentários

Deixe o seu comentário