Aprendizado e trabalho

Bolsas de estudo no exterior – como começar

Aprendizado e trabalho | 15/08/12 | Atualizado em 30/09/18 | 29 comentários

Muita gente me pergunta sobre a bolsa integral que eu ganhei pra fazer mestrado em comunicação na Espanha. Em vez de responder a cada um, resolvi explicar mais ou menos o caminho das pedras por aqui. Não que exista um só caminho, porque são infinitos! Mas tem uns passos gerais que servem pra quem não faz ideia de como procurar bolsas de estudo fora do Brasil.

Os detalhes sobre a bolsa que eu recebi tão aqui nesse post, mas é um curso bem específico. Seja qual for sua área e seu nível de estudos, basicamente o que você precisa fazer é se mexer. Não dá pra ter preguiça e querer tudo prontinho no seu colo. É preciso “perder” um tempo fuçando a internet (santo Google) e, de preferência, se inscrever pra vários programas diferentes, porque quem não arrisca não petisca. ;)

Eu já tinha viajado pra estudar três vezes: em Buenos Aires e Lyon fiz aulas de idiomas e em Sevilha um intercâmbio através do departamento de Relações Internacionais da minha universidade, a UFPE. Mas ao terminar a graduação em Jornalismo, decidi que queria aproveitar essa fase da vida em que nada me prendia a lugar nenhum pra continuar estudando e explorar outras realidades.

Não tinha grana pra estudar fora por conta própria e não conhecia muitas opções de bolsas, mas não me faltava disposição pra procurar. Passei horas e horas online fazendo desde buscas mais gerais como “bolsa de estudos + nome do país” (em português e na língua do país), onde entravam programas de todo tipo, a buscas mais específicas, voltadas pra jornalistas, passando por cursos de pós-graduação em várias áreas que me interessavam.

Leia mais:

Todos os posts sobre estudos no exterior

Pra começar, se você ainda não tiver nada muito específico em mente, é muito simples: escolha os países pra os quais gostaria de ir, lembrando que o fator de dominar ou pretender dominar a língua local pode ser determinante, a não ser que lá seja comum as universidades darem aulas em inglês, por exemplo (é o caro de muitos lugares na Europa).

Depois, faça buscas mais gerais como as que mencionei acima ou pesquise as universidades (públicas, de preferência, e com boa reputação) que existem nessas cidades. Dá pra procurar pelo Google mesmo, ou usar mecanismos específicos como o Buscador Colón pra Espanha e o Campus France pra França, ou outros sites que mencionei nesse post. Pela internet existem também vários rankings sobre a qualidade das instituições de ensino da maioria dos país. Aí, veja os cursos e linhas de pesquisa que cada uma oferece e escolha os que lhe interessam.

Pronto? Então é hora de fuçar o site das universidades que você pré-selecionou procurando informações como a forma de inscrição pra estrangeiros, prazos e custo do curso, além de possíveis ofertas de bolsas. Na Espanha, mesmo as universidades públicas são pagas. Na França, não, mas o custo de vida lá é mais alto. E esses são só dois exemplos: cada país tem suas regras, e você pode buscar informações mais genéricas pelo Google ou em grupos do Facebook de brasileiros que vivem por lá. Se não encontrar alguma informação específica do curso, vale mandar um e-mail pra universidade perguntando.

Foi assim, aliás, que eu descobri a minha bolsa, que é oferecida pelo Santander especificamente pra Universidad de Valladolid e voltada pra alunos da Iberoamérica e Ásia (com prioridade pra Brasil e Índia). Eu nem tinha visto nada no site sobre a abertura da convocatória, mas quando mandei e-mail pra eles perguntando sobre os prazos me avisaram que eu podia participar da seleção. Me inscrevi, fiz todos os procedimentos necessários e, depois de alguns meses, recebi o resultado: beca concedida! \o/

consultoria para bolsas de estudos no exterior

Vai viajar pra o exterior? Não se esqueça do seguro viagem! Clique aqui pra descobrir como contratar o seu com desconto.

Eu tive sorte de encontrar uma bolsa atrelada a um curso que tinha vontade de fazer. Mas se esse não for seu caso, é preciso partir pra outra etapa de buscas: ir atrás de instituições independentes que oferecem bolsas a estrangeiros. Muitas universidades incluem no próprio site um link com uma lista de instituições, mas também dá pra achar em uma busca geral pela internet.

No caso da Espanha, uma das principais é a Aecid, que oferece as becas MAEC pra cursos de pós, mestrado, doutorado e cursos de verão e cultura espanholas em universidades públicas e privadas. Você pode escolher o curso que quer, fazer uma pré-inscrição com a universidade e depois tentar a bolsa. Um esquema parecido rola com as bolsas de mestrado Chevening, para o Reino Unido, e várias outras instituições por aí.

Recomendo ficar sempre de olho tanto nos sites de instituições que oferecem bolsas quanto nos que compilam várias convocatórias, como os que mencionei nesse post – e como esse blog que você tá lendo agora, já que de tempos em tempos publico uns resumos com vagas abertas atualmente, como esses de janeiro de 2018 e março de 2017.

Já foi mais fácil conseguir uma vaga como brasileiro, mas nos últimos anos deixamos de ser vistos como “prioridade” e muitos países de “primeiro mundo” reduziram suas verbas de ajudas por causa da crise. Ainda assim, existem várias oportunidades pra quem corre atrás.

Outro passo importante é checar, no site dessas instituições, os documentos necessários e prazos de inscrições. Isso porque muitas vezes eles pedem carta de pré-aceitação no mestrado, cartas de recomendação, um projeto etc. E é bom ter tudo isso pronto o quanto antes pra não ser pego desprevenido com um prazo apertado.

Pois é: a burocracia nunca é pouca. O que faz muita gente desistir de tentar é a preguiça de reunir vários documentos, pedir cartas de recomendação a professores e chefes, escrever uma carta de motivação, elaborar um projeto, fazer um currículo em outra língua, preencher formulários e tudo o mais. E caso você queira validar o diploma no Brasil (pra fazer concurso, dar aula ou algo do tipo), deve buscar informações sobre esse procedimento também, porque nem todos os cursos são aceitos de forma equivalente pelo MEC.

Cansou só de pensar nesse rolê todo? É realmente trabalhoso, mas necessário. E quanto mais você passa por esse processo, mais fácil fica, porque você vai pegando a manha e pode reaproveitar algumas coisas. :) Por isso, mesmo que não seja aprovado no primeiro processo seletivo que tentar, não desista!

Capriche mais na carta de motivação (você tem que mostrar não só porque aquele programa lhe interessa, mas também que é a pessoa certa pra estar ali e como pode contribuir pra eles) e faça o que puder pra se destacar nos outros pré-requisitos, o que não é nada mais do que um investimento em você mesmo.

Se esforce pra tirar boas notas na faculdade, se envolva em atividades extra-curriculares, como pesquisa, estágios, trabalho remunerado e trabalho voluntário e aprimore seus conhecimentos em línguas estrangeiras. A propósito: vale muito tirar um certificado tipo DELE, DELF/DALF, TOEFL, IELTS, etc., mas fique ligado porque se a prova for feita mais de dois anos antes da inscrição ela pode não ser considerada válida. Enfim, faça o que puder pra ser o candidato ideal, com a maior antecedência possível.

E mesmo que ainda não tenha feito tudo isso, saiba que nunca é tarde, e não deixe de tentar. Nunca sabemos com quem estamos concorrendo, nem o que pensa a banca examinadora, então sempre vale a pena ir atrás. Sem essa de “tou concorrendo com gente do mundo inteiro, nunca vou conseguir”. Se não se inscrever, aí é que você não consegue mesmo!

Ainda tem dúvidas? Clique aqui pra ver mais dicas sobre como estudar no exterior ou grite aí nos comentários. :)

Contrate seu seguro viagem com desconto na Mondial Assistance
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

29 Comentários

  1. Katherine

    Oi Luiza, gostei muito desse post! Os programas de bolsas que você conheçe, pra quem tá na graduação, pra pós e os específicos pra jornalistas por favor posta!

  2. Paula

    Cada dia gosto mais do seu blog e recomendo pra todos que buscam uma experiência lá fora! Parabéns mesmo!

    Só uma duvida… Tenho uma vontade enorme de concorrer a uma bolsa de estudos pra um mestrado na França. Você acha que eu tenho chances de conseguir tendo a média na graduação 8,2 a 8,5 (não lembro exatamente) e não estou trabalhando na área que eu gostaria? Eu sei que igual tenho que tentar, e que varia muito, mas sou muito insegura quanto a essas coisas! Muito obrigada e muito sucesso pra vc!!! :D

    • Luísa Ferreira

      Oi, Paula! Que bom que você gosta do blog e recomenda, obrigada! ^^
      Acredito que você tem chances sim, até porque essa questão da média varia muito de um curso pra outro e de um país pra outro. Mas é interessante fazer de tudo para aumentá-las, então se você conseguir fazer algum curso, atividade voluntária etc. que se relacione a área almejada, melhor! :) Um abraço e boa sorte!

  3. Walkyria Costa

    oi, Luisa!!! Pesquisando aqui, encontrei seu blog…Sou de Maceió (sua vizinha!!!kkk) e tô aqui rezandoooo pra ver se tenho a sorte de ganhar uma bolsa na área de patrimônio em Valência!!! Agora em maio eles vão avisar quais candidatos foram pre- selecionados para uma entrevista. Não fiz curso de espanhol, mas não foi pre- requisito nessa bolsa q tô almejando (é da Fundação Carolina). inicialmente, me candidatei pra duas bolsas atraves da Fundação Carolina, mas pretendo ver bolsas pra Inglaterra, na mesma área. Nessas, me faltam alguns pre-requisitos (IELTS,etc).
    Tenho uma dúvida pra tirar com vc: sobre os mestrado oficial na Espanha, a questão da validação dos documentos aqui no Brasil é automática ou é mais fácil, já que é mestrado oficial e não próprio??? E tbm, a parte de tradução e documentação toda, como vc fez pra autenticar, traduzir, ver a parte ligada a consulados e afins…Fico perdida com isso, caso eu seja aprovada!!!
    No mais, parabéns pelo blog. Estou lendo tudo aos poucos… E adorando!!

    • Luísa Ferreira

      Oi, Walkyria! Bem-vinda ao blog :D Boa sorte com a bolsa ^^ Se não for dessa vez, não deixe de tentar novamente pra essa e outras! Sobre a revalidação do mestrado aqui no Brasil não tenho como te dar informações precisas porque ainda não o fiz, hehe. Sei que nem sempre é fácil devido à carga horária distinta da dos mestrados daqui. Pra inscrição no mestrado na Espanha tive que fazer tradução juramentada e conseguir carimbos do consulado, mas tudo isso depende da universidade pra qual você está se inscrevendo. Um abraço!

    • Você pesquisou quais universidades e cidades na Inglaterra, Walkyria? Encontrou algum programa, e qual área de estudos e claro, formação no Brasil?

      • Luísa Ferreira

        Pra Inglaterra, um excelente programa de bolsas (e muito concorrido) é o Chevening, que tá com inscrições abertas agora :)

  4. Sarah

    Oi, Luísa! Achei seu blog hoje enquanto eu tava fuçando sobre a Worldpackers. Tenho muita vontade de ir pra fora, tenho um primo morando em Londres e uma prima na Espanha. Acontece, que sou formada em ADM e não domino nem inglês, nem espanhol de forma a concorrer algum tipo de bolsa acadêmica. Já procurei bolsas para idiomas, mas são bem poucas. Gostaria de saber se você conhece algum tipo de opção. E por sinal, já virei fã do seu blog.

  5. No limite da vida

    […] posts sobre o assunto, que tão dentro da tag “estudos” aqui no blog, mas comece lendo por este aqui. Mais uma vez, repito: também não adianta topar qualquer coisa só “porque é de graça”. […]

  6. Rafael

    Olá Luisa, muito bacana o post. Já realizei um intercâmbio de 1 ano em Dublin e penso em viajar novamente, desta vez, junto com minha namorada. Então caí aqui, na busca hehe. Enfim, queria fazer um comentário sobre o link da Aecid, que acredito estar errado. Abraço!

    • Luísa Ferreira

      Oi, Rafael! Que bom que você gostou do post :D Obrigada pelo toque, vou olhar isso! Um abraço

  7. Bruna Querino Pollastrini

    Olá Luísa, tudo bem? Estou a procura de bolsas de master relacionadas a arquitetura e urbanismo. Você sabe algum programa ou boas universidades?

    • Oi, Bruna! Infelizmente não conheço nenhum programa específico pra essa área, mas encontrei um ranking de mestrados (meio desatualizado) que pode te ajudar a ter algumas ideias se você estiver pensando na Espanha: http://masterarquitectura.com/?p=73 :) Em sites como o Universia e o Find Masters (http://www.findamasters.com/search/courses.aspx?SAID=9) você também pode fazer uma boa busca. Sobre as bolsas, podes ver no site das universidades ou colocar no google “beca master arquitectura”, “masters architecture scholarships” etc. Um abraço!

  8. Camila

    Luiza, obrigada por se dedicar a este blog. Estou amando e me sentindo motivada com as dicas!

    • Oi, Camila! Obrigada a você por esse comentário ^^ Espero que alcances todos os teus sonhos!

  9. Dalía Carvalho

    Boa noite Luísa. Minha mãe ouviu uma entrevista sua na Rádio Jornal e me falou sobre seu blog. Eu sempre tive muita curiosidade em conhecer outros países e até mesmo fazer graduação fora. Mas tenho dúvida por onde começar a procurar. Atualmente faço matemática na UFPE mas gostaria de fazer outra coisa, minhas notas na matemática são meio baixas sabe… É possível achar uma graduação em um curso que eu queira num país que eu queira também? Por onde começo??!
    Obrigada por compartilhar suas experiências. Isso inspira as pessoas.
    Beijos :*

    • Oi, Dalía! Pra fazer o curso todo em outro país acredito que a opção mais fácil seria Portugal, porque em algumas instituições existem acordos pra aceitar o Enem como método de entrada. Mas tens que pesquisar o sistema de acesso nos países aos quais desejas ir. Mais fácil do que isso, no entanto, seria fazer intercâmbio pela UFPE (pra isso, podes se informar no departamento de cooperação internacional da universidade), mas tás querendo sair do curso, né? :( Conseguir bolsas pra pós-graduação é mais fácil do que pra graduação, normalmente. Boa sorte e obrigada pelo comentário! :) Um abraço

  10. Marcelle

    Bom dia! Gostaria de maiores informações sobre bolsa de estudos no Canadá, faço jornalismo e pretendendo fazer curso de comissário de bordo e adorei a ideia desse blogs ,está ajudando a muita gente. Obrigada Luísa.

  11. Marlene

    Boa Noite!
    Gostaria de tentar para o ano de 2019 uma bolsa integral de mestrado para Portugal.
    Por onde devo começar?
    Tenho graduação em Serviço Social, formada pela Universidade Federal do Pará, mas atualmente estou morando em São Paulo.
    Tenho uma irmã que mora na Espanha em San Sebastian? será que isso ajuda de alguma forma?
    Enfim, você poderia me ajudar com o passo a passo, por favor?

    Muito obrigada!

    Excelente blog…Parabéns!

    • Oi, Marlene! O passo a passo geral tá aí nesse post :) Você tem alguma dúvida específica? Se não conheces um programa específico, tens que buscar opções de cursos que te interessem e que forneçam bolsas ou órgãos independentes para os quais possa pedir bolsas, através de buscas no Google mesmo ou de sites gerais como Universia e outros que mencionei. E então analisar os pré-requisitos de cada uma pra se preparar de acordo :) Um abraço!

  12. Lara Luciana

    Oi, Luísa! Sou de Recife também e me interessei muito por essa parte do seu post: “Sevilha um intercâmbio através do departamento de Relações Internacionais da minha universidade, a UFPE.”. Tenho vontade de fazer relações internacionais e não sabia que na UFPE tinha esse departamento. Voce pode falar sobre? Obrigada! :)

    • Oi, Lara! A UFPE tem vários convênios com universidades em outros países :) No meu caso, me inscrevi pra Sevilha quando a universidade abriu as convocatórias e fui aprovada junto com outros amigos (os critérios eram notas, reprovações e tal). O departamento de relações internacionais nos instruiu sobre as questões burocráticas e então fui fazer um semestre na Universidade de Sevilha. As disciplinas que escolhi lá foram validadas como “optativas” na grade do meu curso, mas em outros cursos talvez seja possível validar disciplinas obrigatórias; é preciso ver com o departamento do curso. Eu não paguei taxas à universidade, mas paguei todos os custos de hospedagem, viagem, seguro etc. Os convênios estão sempre mudando e quando você entrar podem ser diferentes dos de agora, mas pra ter uma ideia você pode olhar no site da UFPE: https://www.ufpe.br/dri/estudando-no-exterior

      Um abraço! :)

  13. caetano Paulo

    Gente por favor eu sou angolano e preciso também de uma bolsa de estudo para o esterior e tenho poucas informações no assunto ajudem me, eu preciso estudar a falculdade fora paralím de ser o mru sonho eu preciso ajudar a minha mãe e a minha avó plesase for GOD

  14. Vinicius Leão

    Olá, irei colar grau agora em 02/19 e tenho interesse em fazer uma pós no exterior e, se for o caso, com bolsa. Como observei no texto, é bom ter experiência curricular e extracurricular, eu tenho alguns cursos, voluntariado, trabalho temporário remunerado. Sou licenciado em Ed. Física, aprovado no concurso do estado de MG e também na Prefeitura de Lagoa Santa/MG, aguardando nomeação no IOF. Mas então, tenho muito interesse na área social, meu TCC foi sobre o impacto da atividade física em pessoas com deficiência. Queria continuar nessa área social, talvez em Gestão de políticas públicas sociais, teria uma noção de onde conseguir algo parecido nessa area ?
    Desde já agradeço.

    • Oi, Vinicius! O programa Erasmus Mundus tem um mestrado em Public Policy (Mundus MAPP), não sei se te interessaria. Coloca também no Google termos parecidos em línguas que você sabe falar pra ver o que aparece :) Um abraço!

Deixe o seu comentário