Finlândia

10 curiosidades sobre a Finlândia

Finlândia | 10/12/18 | Atualizado em 25/07/19 | 4 comentários

Quando falei pra meus amigos que ia passar um mês na Finlândia através do Foreign Correspondents’ Programme, a maioria confessou não saber nada ou quase nada sobre o país. Não foram raros, inclusive, os casos de pessoas que confundiam meu destino com a Islândia. :P Mas apesar de não ser um destino turístico muito popular pra brasileiros, esse país é superinteressante. Reuni aqui algumas curiosidades sobre a Finlândia que aprendi no meu tempo por lá pra ilustrar algumas características dessa terrinha nórdica – e, quem sabe, te dar vontade de ir até lá!

10 curiosidades sobre a Finlândia

1. São campeões mundiais em consumo de café

Nunca tomei tanto café na vida quanto nesse meu período na Finlândia. E não foi por acaso: a galera lá consume MUITO a bebida, garantindo o pódio de população com o maior consumo de café per capita no mundo inteiro. São cerca de 12 kg por pessoa por ano – aqui no Brasil, por exemplo, a média é de 5 kg.

Isso ficou bem evidente pra mim e meus colegas no Foreign Correspondents’ Programme, já que não houve lugar que visitássemos onde não nos oferecessem café. Eram no mínimo três xícaras por dia.

E também não faltam cafeterias em Helsinque, capital do país. Muitas têm cafés “sofisticados”, com diferentes formas de extração e de preparo, mas quase todas tinham a opção de café coado pra você mesmo se servir, muitas vezes com refil grátis.

Segundo meus amigos finlandeses, muitas vezes a bebida é usada como uma desculpa pra socializar, já que os finlandeses não costumam ser as criaturas mais extrovertidas desse planeta (pra usar um eufemismo :P).

E pelo meu paladar leigo, fiquei com a impressão de que quase sempre eles fazem um café mais fraquinho do que o que se toma por aqui. Só assim pra beber xícaras e mais xícaras o dia todo sem fazer muito mal à saúde, né?

2. E também AMAM leite

A melhor parte, pra mim, é que o cafezinho oferecido nunca era só um expresso, como costuma acontecer no Brasil (e eu não curto muito). Como falei ali em cima, eu costumava encontrar café coado, e ao lado da garrafa sempre tinha outra de leite.

E depois de alguns dias, percebi que o consumo de leite na Finlândia vai muito além de usá-lo como companhia pra o café. Encontrei algumas fontes falando que eles também são campeões mundiais no consumo dessa bebida per capita, com cerca de 360 litros por pessoa por ano, mas outros sites informavam números bem menores: em torno de 130 litros.

Seja como for, é fácil perceber a obsessão pelo leite. As seções de laticínios nos mercados eram ABSURDAS, com uma variedade de produtos imensamente maior que em qualquer país que eu já tenha visitado. E o leite, ou produtos relacionados, muitas vezes é consumido em todas as refeições.

No almoço, por exemplo, é comum beber piimä, uma bebida parecida com “leitelho” ou “leite de manteiga”. Iogurtes, queijos e sorvetes também são itens muito importantes na dieta deles (sim, finlandeses adoram sorvete, mesmo no frio que toma conta de boa parte do ano).

Existe, inclusive, uma brincadeira que diz que estrangeiros podem se sentir realmente em casa na Finlândia quando desenvolverem intolerância a lactose, problema que acomete cerca de 17% da população. A piada é mito e a porcentagem de intolerância é muito maior em outras etnias, mas caso você seja intolerante ou vegano, é bom saber: é muito fácil encontrar por lá opções de produtos sem lactose e com leites vegetais.

3. O sueco também é um idioma oficial

A Finlândia fez parte da Suécia por quase 700 anos. Como resultado desse longo período de influência, até hoje o sueco é falado por mais de 5% da população, sendo um dos dois idiomas oficiais da Finlândia.

Diferentemente de países como Bélgica e Itália, onde idiomas como o alemão são restritos a uma região geográfica específica, em várias partes do país se encontram finlandeses que têm o sueco como primeira língua. A maioria, no entanto, mora nas cidades do litoral, especialmente nas mais próximas à Suécia.

Tanto o finlandês como o sueco são disciplinas obrigatórias nas escolas da Finlândia, mas algumas escolas têm o sueco como primeiro idioma (em que todas as outras disciplinas são ensinadas) e as outras têm o finlandês.

Na maioria das placas e produtos, vi inscrições nos dois idiomas. O que, vale ressaltar, era um alívio, porque o finlandês não se parece com NADA, enquanto o sueco tem muita semelhança com alemão e inglês, então dava pra entender algumas coisas.

Na foto abaixo, por exemplo, dá pra ver as mesmas indicações numa parada de tramway em sueco (Olympiaterminalen e Glaspalatset, que significa “palácio de vidro”, como no inglês “glass palace”) e finlandês (Olyimpiaterminaali e Lasipalatsi).

informações do transporte público em helsinque

4. Muitas crianças ficam sem nome até meses depois de nascer

Essa curiosidade foi mencionada por uma seguidora lá no Instagram, mas os finlandeses que conheci acham tão normal que nem pensaram em comentar com a gente.

O mais comum na Finlândia é esperar que a criança nasça pra escolher o nome dela, mas não só isso: muita gente espera até dois ou três meses, que é o período máximo pra registrar o bebê no “cartório”.

A ideia é dar aos pais a chance de conhecer um pouco a personalidade da criança, podendo assim decidir por um nome que tenha realmente a ver com ela. Enquanto não se “bate o martelo”, o bebê é chamado por algum apelido.

Ah, outra curiosidade é que muitas pessoas lá têm até três “primeiros nomes” (tipo Clara Maria Luísa, por exemplo :P).

5. Todas as famílias recebem um enxoval gratuito do governo

A Finlândia se destaca em vários indicadores sociais, como educação, transparência das instituições públicas e igualdade de gênero, e também é considerada um dos melhores países do mundo para ser mãe.

Um dos itens mais “famosos” dentre os muitos benefícios pra as novas famílias é o babybox, uma espécie de enxoval que todo cidadão recebe quando vai ter filhos, sejam eles biológicos ou não.

A tradição surgiu nos anos 1930 e pretende oferecer um início de vida com as mesmas condições pra todas as crianças, independentemente das condições financeiras da família.

Além de ser possível usar a própria caixa como berço (com o colchãozinho que vem nela), o enxoval inclui itens como roupas, roupas de cama, objetos de higiene, um livro e um brinquedo, além de itens pra os pais, como camisinhas, creme para os mamilos e absorventes. Quem não quiser receber o pacote pode optar por um auxílio de 170 euros. Olha aí embaixo que fofinhas as coisas!

baby box finlandesa

Leia também:
Sisu: conceito que define a personalidade finlandesa
Todos os posts sobre a Finlândia

6. Existe uma sauna pra cada 1,6 habitantes

Tirar a roupa e entrar numa sala pequena, aquecida a quase 100ºC, junto com outras pessoas. Depois de suar bastante, pular no mar frio ou num lago congelado, ou mesmo rolar na neve. E começar tudo de novo. Parece divertido pra você? Pra os finlandeses, com certeza!

A tradição das saunas provavelmente é uma das curiosidades sobre a Finlândia mais conhecidas, e considerada uma das características essenciais do povo finlandês. Existem cerca de 3.3 milhões de saunas numa população de 5.3 milhões de habitantes, que frequentam esses lugares cerca de uma vez por semana, desde que são crianças até quando ficam velhinhos.

Existem saunas públicas, mas muitas casas ou prédios têm as suas, além de boa parte das empresas e órgãos de estado. O presidente e o primeiro ministro têm saunas oficiais, que são inclusive usadas pra reuniões entre autoridades, e as missões diplomáticas finlandesas no exterior também têm sempre uma sauna.

Tem até sauna em lugares inusitados, tipo estádios de hockey e – pasmem – numa cabine de roda-gigante (essa de madeira na foto abaixo).

sauna finlandesa

Em muitos casos, a galera vai pelada mesmo – entre família ou entre amigos, é comum até que homens e mulheres vão juntos. Nas saunas públicas, no entanto, costuma-se usar roupas de banho ou haver separação por gênero.

As saunas tradicionais são aquecidas a lenha e têm um recipiente com pedras aquecidas junto da fornalha, onde se joga água pra aumentar a umidade do ar. Outro costume comum é usar uns ramos de planta chamada “vihta” pra dar umas batidinhas no corpo, o que supostamente estimula a circulação.

Leia também:
Sauna na Finlândia: entenda a tradição, como usar e onde ir

Quando muitos finlandeses vão pra seus chalés na floresta (geralmente à beira de um lago), a rotina meio que gira em torno da sauna.

Durante meu período na Finlândia, tive a oportunidade de ir numa sauna numa empresa de tecnologia (essa da foto aí embaixo), numa sauna pública paga à beira-mar em Helsinque e numa em um desses típicos chalés de veraneio, que foi a que mais gostei.

Usei a “vihta”, mergulhei na água gelada e tudo o mais. Confesso que não sou muito fã da experiência – me sentia no Recife, entrando num carro que ficou estacionado sob o sol depois de um dia de praia. Ainda assim, achei massa experimentar, e imagino que no inverno deve ser mais gostoso.

foto: Business Finland

7. As portas abrem pra fora

Ao contrário das saunas, que são um dos maiores clichês (verdadeiros) finlandeses, esse fato não costuma marcar presença em listas de curiosidades sobre a Finlândia, mas chamou minha atenção: as portas por lá abrem pra fora.

Eu nunca tinha parado pra pensar sobre o lado de abertura das portas até ficar super confusa ao entrar e sair de qualquer lugar lá em Helsinque. Felizmente, eu não era a única a experimentar esse estranhamento, já que meus colegas de vários países tinham a mesma dificuldade.

Perguntando pra o pessoal por lá, descobri que a explicação tem a ver com segurança. Nos anos 1700 e 1800, muitas das igrejas e casas finlandesas eram feitas de madeira e aconteciam muitos incêndios, em que frequentemente pessoas morriam por não conseguir sair muito rápido. Criou-se, então, um regulamento que determina a abertura pra o lado de fora, de modo a facilitar a saída em casos de emergência.

Já ouvi falar que o mesmo acontece na Suécia, enquanto na Dinamarca a lógica é contrária: as portas abrem pra dentro pra não bloquear a saída de outros apartamentos em emergências.

8. É o país do heavy metal

Eu não conheço nadica de nada de heavy metal, então fiquei surpresa ao descobrir que a Finlândia também é número um nesse quesito: o país tem o maior número de bandas desse gênero musical per capita que qualquer outro no mundo.

Enquanto na maioria dos lugares o heavy metal é um tipo de música mais “de nicho”, na Finlândia você escuta com certa frequência até nas rádios mais mainstream. O país é origem de bandas famosas como Nightwish, inclusive.

E durante minha passagem por lá, pude visitar Lemi, cidadezinha minúscula (são pouco mais de 3 mil pessoas) que é considerada a capital mundial do heavy metal. A banda Stam1na, que aparentemente é bem famosa (eu jamais saberia :P) é de lá, e teria impulsionado o surgimento de várias outras.

lemi, capital mundial do metal

9. Quase todo o território é floresta ou lago

Sabe aquela história de cabanas na floresta que mencionei ali em cima? Boa parte das famílias têm a sua, geralmente em condições bem rústicas, sem água encanada e com eletricidade limitada, mas entornos deliciosos.

E espaço é que não falta: cerca de três quartos do território finlandês são cobertos por florestas. Mesmo a capital Helsinque é repleta de áreas verdes, sendo que algumas delas são reservas naturais, e as indústrias florestais compõem parte fundamental da economia nacional.

Como se não bastasse, boa parte do que não é floresta é água. A Finlândia é chamada de “terra dos mil lagos”, mas na verdade o apelido subestima a realidade: são 188.000 lagos, desde a área metropolitana da capital até o norte, lá pela Lapônia (terra do Papai Noel). Passei dois dias à beira do maior lago do país, o Saimaa, e eles foram o ponto alto do meu período por lá. :)

No verão, muitos finlandeses vão pra essas cabanas-na-floresta-perto-de-lagos pra curtir a sauna, é claro, mas também aproveitar os lagos. Dá pra andar de barco, canoa e caiaque, pescar, nadar… Já no inverno, os lagos congelados são usados pra pesca no gelo, patinação e até pra fazer buracos e mergulhar (sim, povo doido!).

chalé de verão na finlândia

lago saimaa

10. É permitido usar terrenos privados alheios

E sabe o que é mais legal? Que toda essa natureza, mesmo que seja “propriedade particular” de alguém, é livre pra ser usada por qualquer um. Isso por causa do chamado “jokamiehenoikeus”, ou “direito de todo homem”.

Esse conceito, presente em vários países europeus com diferentes particularidades, significa que é permitido caminhar, esquiar, pedalar, acampar, nadar, pescar e colher flores, frutos e cogumelos em praticamente qualquer lugar do país, incluindo áreas privadas. As restrições são poucas; é proibido, por exemplo, usar veículos motores e acampar no jardim da casa de alguém.

Muito da cultura, culinária e personalidade dos finlandeses tá relacionado a esse contato intenso com a natureza. Colher frutas vermelhas em família (e depois se juntar pra fazer geleia), por exemplo, é uma tradição comum em quase todas as casas. Achei massa!

foto: Business Finland

 

E você, conhece outras curiosidades sobre a Finlândia? Já sabia de alguns dos fatos que mencionei aqui? Conta aí nos comentários!

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

4 Comentários

  1. Roberto

    Amei quando no meio da matéria tu fez uma citação à Recife, me senti tão contemplado e assustado tbm! Fui ler a bio e descobrindo que tu era daqui fiquei muito entusiasmado com a possibilidade de chegar onde você chegou! De ver que era possível dado a idade que você tem! Continue impulsionando jovens como me impulsionou, linda matéria <3

    • Que comentário lindo, Roberto! :) Sim, somos conterrâneos! E você pode chegar aonde quiser, rapaz! <3

  2. Nara

    No início da leitura fiquei meio chateada quando comparou a sauna com um carro abafado em Recife, já achando que seria mais uma sulista preconceituosa com o nosso Nordeste, mas ao ler o comentário de Roberto, dei uma boa gargalhada. Então somos três maravilhosos recifenses. E detalhe: não escrevo em blog, site, página nenhuma! Escrevi na sua por causa dessa coincidência. estava dando uma olhada em uns sites porque estou ensando em conhecer esse país que é logo ali…

    • Eita, Nara! hahaha Sei bem como é essa sensação! Obrigada pelo comentário :D Espero que você vá mesmo pra Finlândia e curta muito! Um abraço

Deixe o seu comentário