Dicas Práticas

Turismo criativo: viagens com foco em experiências

Dicas Práticas | 25/12/18 | Atualizado em 08/01/19 | Deixe um comentário

Museus, monumentos, restaurantes famosos, belas vistas. Boa parte dos roteiros turísticos mundo afora se concentra em itens como esses. E, depois de cumprir essa “check-list”, supostamente podemos dizer que conhecemos aquela cidade. Mas será mesmo?

Cada vez mais turistas se questionam sobre o valor de viajar com o objetivo de conhecer atrações turísticas tradicionais. O modelo de turismo de massa consolidado não dá conta de tudo que os lugares e seus moradores têm a oferecer, nem de tudo que os visitantes mais exigentes querem absorver. Além disso, muitas vezes traz mais prejuízos que benefícios pra os destinos.

Felizmente, existem muitas formas de viajar que tentam ir na contramão desses problemas. Como, por exemplo, o chamado Turismo Criativo.

Leia também:
Turismo sustentável: como ser um viajante mais consciente

O que é Turismo Criativo?

O conceito de Turismo Criativo foi definido em 2000 por Crispin Raymond e Greg Richards como “um tipo de turismo que oferece aos visitantes a oportunidade de desenvolver seu potencial criativo através da participação ativa em cursos e experiências de aprendizado características do destino” (tradução livre).

Na real, isso não é nada novo: já faz muito tempo que viajantes se envolvem em experiências de aprendizado durante as férias. Mas o que os pesquisadores defendem é que esse tipo de turismo se tornou tão comum que representa uma forte tendência da indústria turística.

Segundo Richards, houve uma transição entre a predominância da “alta cultura”, expressa em lugares como museus, galerias de arte e monumentos, pra uma valorização da cultura do dia a dia, considerada mais “autêntica”.

turistas visitando museu em nova york

Por muito tempo, os responsáveis pela promoção dos destinos achavam que uma forma garantida de atrair turistas era construir museus e promover grandes eventos. Mas nem sempre isso tem os resultados desejados, além de sair caro.

Ao mesmo tempo, o número de viajantes frequentes aumentou. E é cada vez mais comum que as pessoas, especialmente as que já turistaram bastante, busquem experiências mais ativas e imersivas, em que não se sintam meras espectadoras.

Nesse sentido, a proposta de quem defende o Turismo Criativo é pensar um turismo que não se limita a recursos tangíveis, como museus, belezas naturais e monumentos, valorizando coisas intangíveis, como estilo de vida, identidade, narrativas, atmosfera e a conexão entre pessoas.

Fazer massas artesanais na Itália, experimentar ser DJ em Ibiza, aprender sobre cervejas artesanais degustando rótulos locais em São Francisco, tocar alfaia junto com um grupo de maracatu no Recife e pisar uvas em vinícolas argentinas são só alguns exemplos de possíveis roteiros de Turismo Criativo.

A ideia é que em vez de simplesmente ver um show de tango daqueles bem cinematográficos, você tenha aulas e vá dançar numa milonga frequentada por porteños, por exemplo.

tour por cervejarias em são francisco

Vantagens do Turismo Criativo

Há quem considere, no entanto, que esse não é só um “tipo” diferente de roteiro, mas sim uma nova forma de fazer turismo, envolvendo tanto os próprios viajantes quanto os moradores na criação dos produtos turísticos.

Afinal, acho que qualquer um concorda que esse tipo de experiência é superenriquecedora pra os turistas, né? Mas o que acho mais massa é o “outro lado” da história.

Ao menos em teoria, a ideia é que os produtos desse turismo sejam construídos “de baixo pra cima”, partindo das potencialidades dos territórios e das pessoas que vivem neles. E aí, não faltam vantagens pra comunidade local.

Pra começar, esse tipo de estratégia gera uma diversificação da oferta turística sem que sejam necessários grandes investimentos além da criatividade e dos recursos humanos. E isso permite a participação de muito mais pessoas, já que procurar formas criativas de promover a cultura local é mais acessível pra pequenos empreendedores do que criar grandes infraestruturas.

Outra vantagem é o fortalecimento da autoestima da população, valorizando e ajudando a preservar tradições culturais. Sem falar no estímulo à economia local, o que é importantíssimo em tempos de domínio de multinacionais e pode ajudar a distribuir renda e combater a pobreza.

Esse fator se aplica especialmente aos projetos de turismo de base comunitária. Esse termo é usado pra descrever iniciativas e atividades protagonizadas por comunidades locais, que geram emprego e renda pra região.

turismo criativo na bomba do hemetério, no recife

Leia também:
Turismo comunitário na Bomba do Hemetério, no Recife
Berlim alternativa: roteiro além dos pontos turísticos convencionais

Outro ponto importante é a melhor distribuição do fluxo de visitantes durante o ano em lugares onde os turistas se concentram em determinada época. O investimento em atrações intangíveis ajuda a evitar a sazonalidade, que é um problema em muitos destinos.

Essas experiências podem, ainda, promover a distribuição geográfica, com a inclusão de áreas diferentes das convencionais nos roteiros turísticos. Isso ajuda a diminuir o desgaste dos lugares mais visitados, tanto em termos patrimoniais quanto ambientais, e a distribuir os recursos financeiros pelo território.

Ou seja: além divertido, o Turismo Criativo tem uma proposta que tende a ser mais socialmente igualitária e ambientalmente amigável que os passeios tradicionais.

Vale ressaltar, no entanto, que nem tudo é sempre tão bonitinho. Como quase tudo no capitalismo, esse tipo de iniciativa também pode ser usado de forma negativa. É o caso das atrações em que comunidades locais, especialmente as de baixa renda, são exploradas por atores externos, em processos travestidos de inclusão.

Isso acontece, por exemplo, quando povos tradicionais ou favelas são transformados em atração turística por iniciativas que não são capitaneadas pelas próprias populações. Frequentemente, nesses casos, a maior parte do lucro não vai pra essas pessoas e não são elas que decidem como a atração será abordada. E isso pode até gerar o desenvolvimento de uma indústria que mantém as comunidades em condições precárias pra não “descaracterizar a atração turística”.

Redes de Turismo Criativo

Se você quiser saber mais sobre o assunto, vale conferir o site da Creative Tourism Network, organização internacional que conecta várias iniciativas de Turismo Criativo mundo afora. Na página deles, você encontra inclusive uma bibliografia com um monte de livros e artigos (muitos deles disponíveis online, mas a maioria em inglês) sobre o assunto.

Em âmbito brasileiro, existe a Recria (Rede Nacional de Turismo Criativo). Criada no Recife, essa organização ainda tá no início e atualmente só inclui iniciativas na própria capital pernambucana, mas pretende alcançar âmbito nacional.

muro grafitado em berlim

Você já tinha ouvido falar em “turismo criativo”? Conhece iniciativas que têm a ver com o conceito? Me conta!

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

 

Posts Relacionados

0 Comentários

Deixe o seu comentário