Estados Unidos

O que fazer em São Francisco: roteiro para 5 dias com mapas

Estados Unidos | 25/10/18 | Atualizado em 02/11/18 | 1 comentário

Os bondinho vintage, a baía com águas azuis, as ruas charmosas (e ladeirosas), as casas em estilo vitoriano, importante papel na história dos movimentos hippie e LGBT… Uma cidade que reúne isso e muito mais com certeza merece uma visita, né? Se ainda não tá convencido ou quer ajuda pra montar o roteiro, veja aqui o que fazer em São Francisco, na Califórnia.

Quanto tempo ficar em São Francisco

Eu passei cinco dias e meio em São Francisco e achei ótimo. Se pudesse ficar mais um ou dois dias, teria feito alguns passeios com mais calma e visitado outros lugares que o cansaço não me permitiu conhecer. Recomendo passar pelo menos três dias inteiros pra ter um gostinho do que a cidade tem a oferecer.

Se precisar cortar atrações do roteiro a seguir, que foi feito pensando numa viagem para São Francisco com duração de cinco dias inteiros, recomendo priorizar os roteiros dos dias 1 e 5, além da travessia da Golden Gate de bicicleta e de uma voltinha por Haight-Ashbury, com direito a parada pra foto nas famosas Painted Ladies na Alamo Square.

Não sabe do que eu tou falando? Continua lendo pra entender! :) E aproveita pra ler também os posts que escrevi com mais detalhes sobre algumas das atrações, clicando nos links no texto.

mission em são francisco

Onde se hospedar em São Francisco

São Francisco é uma das cidades mais caras dos Estados Unidos, e hospedagem é um item que pesa por lá. Mas vá por mim: vale a pena o investimento.

As duas áreas que concentram mais opções de hospedagem são os arredores da Union Square, no centro comercial da cidade, e do Fisherman’s Wharf, a parte mais turística.

Pessoalmente, prefiro a primeira zona, porque dá pra ter um gostinho da “vida real” da cidade, além de ter ótima conexão por transporte público pra outras partes de São Francisco e pra o aeroporto. Fiquei mais ou menos perto de lá, no Music City Hostel e Hotel, que tem bom custo-benefício.

Veja outras opções de hospedagem no centro ou confira uma seleção completa de hotéis e albergues em São Francisco.

hotel em san francisco

O que fazer em São Francisco

Esse roteiro de o que fazer em São Francisco tá dividido em 5 dias, tomando como base diferentes núcleos geográficos da cidade. Como fica tudo relativamente perto, dá pra redistribuir as atrações de outras formas, se você preferir.

Dia 1: bondinho, Lombard Street, Ghirardelli Square, Fisherman’s Wharf, Pier 39, passeio de barco, Coit Tower, North Beach e Chinatown

Dia 2: Lyon Steps, Presidio Park, Museu de Belas Artes, Marina District e Alcatraz

Dia 3: Union Square, Ferry Building e atravessar a Golden Gate de bike até Sausalito

Dia 4: Golden Gate Park, Haight-Ashbury e Alamo Square

Dia 5: Mission, Castro e Twin Peaks

o que fazer em são francisco

Dia 1: bondinho, Lombard Street, Ghirardelli Square, Fisherman’s Wharf, Pier 39, passeio de barco, Coit Tower, North Beach e Chinatown

Concentrei boa parte dos clichês de São Francisco no meu primeiro dia por lá, pra não ter dúvidas sobre onde estava. ;) Foi um dia bem cheio, então se você for curtir com mais calma, pode deixar a parte final (North Beach e Chinatown) pra outro dia.

Acorde cedo e vá até a Powell Street, uma das principais estações do centro e parada inicial de duas das três linhas de bondinho da cidade. Vale a pena chegar cedinho, porque costumam se formar longas filas, já que não cabe muita gente em cada bonde.

bondinho

Me distraí e peguei a linha Powell-Mason, mas a ideal é a Powell-Hyde. Ela tem vistas mais bonitas e para perto da Lombard Street, parada seguinte desse roteiro. Essa rua é a mais famosa de São Francisco e talvez uma das mais famosas do mundo, já que suas curvas acentuadas e ajardinadas a tornam bem peculiar.

lombard street

Depois de andar pra cima e pra baixo pela rua serpenteante (e tirar fotos, claro), siga pra Ghirardelli Square, uma praça à beira-mar que abriga duas unidades da loja de chocolates de mesmo nome.

Essa chocolateria é bem famosa e também serve sorvetes e outras opções com chocolate. Mesmo que você não queira comprar nada, vale a pena visitar, porque eles dão mini chocolates como amostra grátis e porque na loja maior (que fica no andar superior) dá pra ver o chocolate sendo feito. O cheiro é uma delícia!

chocolateria ghirardelli

De lá, siga caminhando até o Fisherman’s Wharf. E aí você vai perceber que os entornos ficam super hiper mega turísticos. Além de lojas de rede como a Sunglass Hut e a In’n’Out (fast food tradicional californiano), essa região concentra muitas lojas de souvenirs.

Caso esteja batendo uma fominha, vale fazer uma parada na padaria Boudin, no Pier 45. Enorme e bonitona, ela vende desde pães com formatos de bichinhos a objetos fofos pra cozinha.

fisherman's wharf

padaria boudin em são francisco

Comi lá um Clam Chowder, comida típica de São Francisco que é como um creme/sopa de mariscos. Veio dentro de um pão sourdough redondo com buraco no meio e custou uns 10 USD. Várias barraquinhas nos arredores também vendem o prato, por cerca de 7 USD.

clam chowder

Em frente à Boudin, do outro lado do estacionamento, fica o Musée Méchanique, que tem entrada gratuita e reúne jogos antigos tipo Atari, Pacman e outros menos famosos, mas bem divertidos. Fui lá por recomendação de uma seguidora do Instagram e achei uma graça. Ótima opção pra quem tá com crianças ou adolescentes, ou tem o espírito jovem mesmo. :)

Um pouco mais adiante você chega no Pier 39, que é também super turístico, mas achei bonitinho. O lugar é como um mini shopping com algumas lojas diferentinhas: além das tradicionais de souvenir, tinha uma só de temperos e uma de objetos pra canhotos, por exemplo. Também tem vários lugares de comida, tipo o clichêzão Bubba Gump.

Mas as principais atrações do lugar são os simpáticos leões marinhos que ficam deitados no píer só boiando, fazendo barulho e curtindo a vida (e sendo fedidos).

leões marinhos em são francisco

Ah, também tem um carrossel bonito! Eu não sei você, mas eu tenho um fraco por carrosséis e sempre quero pegar uma criança alheia como desculpa pra andar neles. <3

pier 39 em são francisco

Outra opção legal a partir dali é um dos passeios de barco pela baía, que partem do pier. Fiz o da Blue and Gold Fleet, que tá incluído no San Francisco CityPass. O bay cruise durou uma hora, com uma narração contando curiosidades sobre os lugares onde passamos.

Amei passar por baixo da Golden Gate (mais um momento “não há dúvidas de que estou em São Francisco”) e ver a cidade a partir da água. Um ótimo programa pra dias de céu limpo – que não são a coisa mais comum por lá, mas dei sorte de pegar na viagem inteira. :)

golden gate bridge

Tá com disposição? Depois de se encantar pela vista de São Francisco desde a baía, sugiro ir ver a cidade do alto. Lá do pier dá pra ir andando até a Coit Tower, uma torre que dá direito a uma vista bonitona de 360 graus da cidade (são 8 USD pra subir, mas pelo menos é de elevador).

coit tower

vista da coit tower

No caminho pra lá, recomendo passar pela Filbert Steps, uma escadaria muito linda cheia de casas com jardins floridos dos dois lados. O percurso é cansativo, porque é cheio de subida, mas é tão gracinha que nem me importei.

Sobrou energia? Continue andando e dê um rolê pelo bairro North Beach, que é descoladinho e cheio de lojas interessantes. Vale a pena passar pela Grant Street, que é cheia de lojas legais. Minhas partes preferidas por ali foram a excelente livraria City Lights e a parede de vitrais coloridos do tradicionalíssimo bar Vesuvio.

o que fazer em são francisco

E aí você já vai estar pertinho da Chinatown de São Francisco, que é a mais antiga dos Estados Unidos. Por ali, recomendo passar pelo Dragon’s Gate (um daqueles “portões” que ficam na rua, em estilo chinês) e dar um pulo na loja de chás Vital Leaf e na fábrica de biscoitos da sorte Golden Gate Fortune Cookie Factory.

Dá pra ver os biscoitos sendo feitos, cair de amores pelo cheiro e comprar um pacotinho pra levar. Rola até de escrever uma frase na hora pra colocar dentro de um biscoito. Como não amar? <3

chinatown em são francisco

Ah, pra quem quiser explorar a gastronomia de regiões como Chinatown e a parte mais italiana de North Beach, vale conferir os tours gastronômicos da empresa Local Tastes of the City. Não fiz o passeio, mas ouvi bons comentários.

Dia 2: Lyon Steps, Presidio Park, Palace of Fine Arts e Marina District

Dormiu bem? Comece seu segundo dia em São Francisco no topo dos Lyon Steps, uma das escadarias mais bonitas que já vi, com uma vista extremamente fotografável. Muita gente vai lá fazer exercícios, mas eu preferi ser preguiçosa mesmo e pegar um Lyft (tipo Uber) até a parte superior das escadas. :P

Quando estiver por lá, não deixe de dar uma bisbilhotada nas várias casas maravilhosas com jardins incríveis. Essa é uma das áreas mais caras de São Francisco, mas além das mansões mais vibes ostentação, tem outras bem aconchegantes.

E aí são só alguns passos até a entrada do Presidio Park. Essa entrada começa já na altura da Woodline, do artista Andy Goldsworthy: um caminho cheio de curvas feito propositadamente, no meio da floresta de eucaliptos. Essa foi minha parte preferida do parque.

presidio park

Você pode passar algumas horas explorando o Presidio Park, com destaque pra o mirante Inspiration Point, a fonte do mestre Yoda na frente do escritório do Lucas Film e outras obras de Andy Goldsworthy.

Ou pode ir direto pra parte mais baixa do parque, onde fica a área conhecida como Main Post. Ali você encontra um super gramado ótimo pra piqueniques e o Walt Disney Family Museum.

Não cheguei a entrar no museu, mas pelo que li, ele não é feito pra crianças e exige um nível razoável de inglês pra ser bem aproveitado. O espaço é dedicado a contar a história de Walt Disney e da criação de todo esse universo ficcional que encanta gerações.

main post no presidio park

Em seguida, dá pra ir andando até o Palace of Fine Arts, ou Palácio de Belas Artes. O caminho é meio chato, por umas ruas bem largas e sem graça, mas não é longe. A área externa do museu é lindona e já vale a visita! Não por acaso, esse conjunto arquitetônico é um dos mais fotografados de São Francisco.

palácio de belas artes

palácio de belas artes em são francisco

Depois, uma sugestão é dar uma circulada sem rumo pelo Marina District, um dos bairros mais agradáveis da cidade. A dica é incluir no roteiro a Chestnut Street, rua simpática com bares e lojas legais.

Esse dia do seu roteiro  em São Francisco também pode ser combinado com o passeio até a ilha de Alcatraz, onde fica a famosa prisão de segurança máxima transformada em atração turística. A única forma de chegar lá é através da ferry (balsa) que sai do Píer 33.

É recomendável comprar o ingresso com antecedência, porque de última hora é difícil conseguir vaga, especialmente em alta temporada.

Esse foi, aliás, o principal motivo pra eu não ter feito esse passeio: já tinha alguns compromissos marcados pra outros dias e não queria agendar mais um, então me contentei com a vista da ilha desde o passeio de barco que mencionei lá em cima. Se quiser saber como é o passeio pra Alcatraz, dê uma lida nesse post do Viaje na Viagem.

ilha de alcatraz

Leia também:

Como é fazer intercâmbio em São Francisco
Todos os posts sobre os Estados Unidos

Dia 3: Union Square, Ferry Building e atravessar a Golden Gate de bike até Sausalito

Sabe a tal de Union Square que mencionei quando falei sobre hospedagem? Ela é um dos principais centros de São Francisco, servindo de ponto de encontro pra moradores e ponto de referência pra turistas. E, caso você esteja se perguntando, é chamada assim porque durante a Guerra Civil americana o lugar abrigava comícios dos partidários do Exército da União.

Hoje, a praça + arredores é uma região interessante pra quem quer fazer compras. Ali você encontra diversas lojas de departamento, marcas de luxo e lojas de fast fashion.

E essa área também concentra museus bem variados. Alguns exemplos são o San Francisco Museum of Modern Art, o Contemporary Jewish Museum e o Museum of Ice Cream, que parece ótimo pra quem curte tirar fotos divertidas. ;)

Sugiro dar uma volta por lá pra ver o movimento e depois seguir pra o Ferry Building. Você pode fazer esse percurso facilmente com transporte público ou em menos de meia hora de caminhada. Se for andando, pode passar por Chinatown e pelo Financial District, bairro cheio de empresariais.

Localizado numa região portuária, o Ferry Building Marketplace é daqueles típicos mercados cobertos, que reúnem comidinhas de todo tipo. Encontrei um restaurante mexicano, empanadas argentinas, queijos, pães, delicatessens, chocolaterias, lojas de vinho, souvenirs e uma livraria MUITO legal.

Além de mesas de piquenique dentro do mercado, você pode comer os quitutes escolhidos sentado num dos bancos no embarcadero, de frente pra baía.

Se quiser acordar cedo e não tiver interesse em fazer compras no caminho pra lá, o ideal é deixar esse roteiro pra um sábado. Isso porque atualmente (outubro de 2018) o Ferry Building só abre às 10h de segunda a sexta e às 11h aos domingos, mas nos sábados funciona a partir das 8h. Recomendo confirmar o horário de funcionamento no site oficial.

Encheu a barriga? Então alugue uma bike por ali vá até a altura do Fisherman’s Wharf, onde tem mais opções de lojas de bicicleta. E então parta pra o meu passeio preferido em São Francisco: atravessar a ponte Golden Gate pedalando.

bicicleta e golden gate bridge ao fundo

Fiquei até emocionada quando cheguei do outro lado dessa ponte icônica. Apesar de relativamente fácil, essa travessia teve um papel simbólico pra mim. :) Mas mesmo que pra você seja “só uma ponte”, o passeio é muito legal.

Resumindo, o que a maioria das pessoas fazem é alugar uma bike e ir pedalando pela costa até o acesso à Golden Gate. Depois de atravessar a ponte você chega a Sausalito, uma cidade pequena e charmosa que fica logo do outro lado.

O percurso não dura costuma durar mais de duas horas, mas contabilize o tempo das paradas pra fotos (e pra retomar o fôlego) e pelo menos uma meia horinha pra curtir Sausalito. A maioria das pessoas volta de ferry, onde você pode levar a bicicleta sem problemas.

atravessando a ponte golden gate

sausalito

Pra saber como alugar a bike, como é o caminho, o que fazer em Sausalito e como pegar a balsa de volta, acesse o post que escrevi sobre como atravessar a Golden Gate de bicicleta.

Dia 4: Golden Gate Park, Haight-Ashbury e Alamo Square

Sabia que Golden Gate também é o nome do maior parque de São Francisco? Ele fica longe da ponte homônima, mas perto de outras áreas bem legais da cidade. E dá pra passar um dia inteiro por lá, se você quiser visitar todas as atrações, mas fique ciente de que a maioria é paga.

Como a área é grandona (são 4 km²), a dica é se deslocar de bicicleta alugada, usando o shuttle gratuito oferecido no parque aos sábados, domingos e feriados oficiais ou fazer um passeio guiado de Segway. Escolhi essa última opção e adorei o passeio com a Electric Tour Company.

Lá no parque você encontra um museu de arte e um de ciências, um jardim japonês, um lago com pedalinhos e um jardim botânico, entre outras atrações. Pra saber mais sobre elas e o passeio de Segway, veja o post sobre o que fazer no Golden Gate Park.

golden gate park

Uma das minhas partes preferidas é a Hippie Hill, que nada mais é que um monte de grama onde os hippies costumavam se reunir na década de 1960, época do famoso Summer of Love.

E logo junto dela fica a saída que dá acesso ao bairro hippie Haight-Ashbury, que até hoje tem uma atmosfera riponga bem legal. Fiz um tour por cervejarias artesanais por lá, com a SF On Tap, e adorei tanto a experiência quanto essa parte da cidade. Tanto que fui lá de novo pra explorar com mais calma – e entrar em todas as lojas :P

cervejaria em são francisco

haight

cruzamento de haight e ashbury

É que o bairro é cheio de lojas interessantes, muitas delas com itens de segunda mão ou com temáticas meio peculiares. Entre as minhas preferidas estão a Amoeba Music, uma das maiores lojas de discos do mundo (pense num espaço enorme cheio de vinis, CDs, DVDs, livros, pôsteres e objetos diversos relacionados a música) e a ótima livraria Booksmith.

amoeba music em são francisco

Também vale dar uma olhada em brechós como o The Red Victorian, o Wasteland e o Decades of Fashion, além da loja vibes bruxa Loved to Death. Levei horas pra percorrer poucos quarteirões da Haight Street, tamanha era a variedade de lojinhas legais pra fuçar.

Levei sanduíche, comprei um chá na unidade do supermercado Whole Foods que fica em frente ao Golden Gate Park e fiz piquenique, então não sei indicar lugares pra comer por lá. Mas vi por alguns que pareciam interessantes, como o simpático café Stanza e o vietnamita moderninho Dragoneats.

brechó em haight-ashbury

Terminou seu rolê por ali? Em poucos minutos de caminhada você chega na Alamo Square, uma praça super agradável rodeada por casinhas vitorianas. Com destaque pra as sete casas mais fotografadas de todas: as famosas “Painted Ladies”, que você vê na foto aí embaixo.

painted ladies

Apesar de ser um lugar bem “cartão postal” e estar, é claro, cheio de turistas, me surpreendi ao ver que a praça é relativamente grande e também frequentada por moradores. Quando fui, encontrei também uma cafeteria móvel bem fofa.

Fiquei um bom tempo esparramada na grama vendo o skyline dos prédios lá no fundo e agradecendo pela sorte de estar ali. :)

Dia 5: Mission, Castro e Twin Peaks

No quinto e último dia desse roteiro, vou focar nos dois bairros que provavelmente são meus preferidos em São Francisco: Mission e Castro.

Sugiro começar pelo Mission, um dos melhores exemplos das misturas que tornam San Francisco uma cidade tão vibrante. Tradicional bairro latino, ele junta uma forte influência mexicana ao que existe de mais trendy na cidade.

Pra ver o mix claramente, basta andar por duas ruas: a Valencia Street, onde a cada passo você encontra uma lojinha, café ou restaurante moderninho com coisas incríveis que custam dólares demais (e muitos hipsters curtindo tudo isso); e a 24th Street, cheia de estabelecimentos mais tradicionais e baratos (e muito mais frequentadores latinos).

mission district em são francisco

Mas a interessância do bairro não se limita a essas ruas. As vielas Clarion Alley e Balmy Alley e prédios como o Women’s Building são cheios de murais coloridos que não só ficam bem nas fotos, como representam a cultura e luta da comunidade latina.

E depois de bater perna, nada melhor do que se esparramar na grama do Mission Dolores Park, que em termos sociais é basicamente uma praia e fica animadíssimo aos finais de semana.

dolores park

O parque fica pertinho do bairro vizinho, Castro, que é cheio de história – principalmente relacionada ao movimento LGBT, capitaneado por Harvey Milk. Vale a pena, inclusive, ver ou rever o filme sobre ele antes de ir.

Fiz no Castro um tour guiado gratuito (baseado em gorjetas) oferecido pelo San Francisco City Guides e recomendo muito. Além de aprender mais sobre a trajetória de Milk e do movimento gay por lá, entendi um pouco melhor o porquê de São Francisco ser uma cidade mais liberal que a média dos Estados Unidos.

tour pelo bairro castro

Lá em Castro, alguns dos pontos mais importantes são o memorial Pink Triangle Park, construído em homenagem aos gays assassinados pelos nazistas; a antiga loja de câmeras de Harvey Milk, que hoje é uma loja da Human Rights Campaign; e o cinema Castro Theatre.

Sem falar na famosa faixa de pedestres pintada com as cores da bandeira gay, que aparece aí embaixo. E no Twin Peaks Tavern, primeiro bar gay da cidade a ter janelas de vidro (até então, os gays frequentavam lugares sem janelas, pra não serem vistos).

castro em são francisco

Também vale conferir a loja Cliff’s Variety, que é tipo uma Multicoisas e é bem antiga, sendo considerada uma “instituição” do bairro.

Minha sugestão pra terminar o dia é algo que eu acabei sem conseguir fazer: ir até o topo do parque Twin Peaks, que é alto e dá direito a uma vista linda.

Segundo pesquisei, dá pra ir de ônibus de Castro até lá, e o melhor é ir mesmo no fim do dia pra evitar a névoa que costuma cobrir a cidade pela manhã. Um ótimo jeito de finalizar seu período em São Francisco!

Os mapas que incluí aqui no post não contêm todos os pontos indicados em cada dia de roteiro, mas sim os principais, pra você se situar e adaptar de acordo com o que quer conhecer. :)

E você, tem mais dicas sobre o que fazer em São Francisco? Conta aí nos comentários!

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

1 Comentário

Deixe o seu comentário