Estados Unidos

Hospedagem em San Francisco: Music City Hostel e Hotel

Se você é músico ou gosta muito de música, não precisa pensar duas vezes quando for procurar hospedagem em San Francisco: o Music City Hotel e Hostel foi pensado pra gente como você. Há pouco mais de um ano, o lugar começou a sofrer uma transformação, deixando de ser uma hospedagem genérica pra se vestir de música dos pés à cabeça. No subsolo do prédio, você encontra mais de 10 estúdios, onde os hóspedes podem ensaiar de graça. Nos quartos e corredores, fotos e pôsteres de ícones musicais. Na recepção, um painel com nomes de hóspedes que querem se juntar pra uma jam.
E nos planos futuros, a promessa é que o Music City fique ainda mais interessante: estão sendo construídas 36 novas salas pra ensaios, gravações e aulas de música, além de um bar/restaurante com palco pra shows (conclusão prevista pra o começo de 2019). Tudo isso com os objetivos de tornar o lugar uma referência na cena musical de San Francisco, conectar músicos viajantes com a comunidade local e ajudar jovens músicos a se dedicarem à paixão (o aluguel de um estúdio custa a partir de 5 USD por três horas, quase o preço de um croissant).
fachada do hotel music city em san francisco
Achei a ideia massa, especialmente depois de saber que muitos lugares onde costumavam rolar shows têm fechado por lá, no meio da especulação imobiliária. Mas mesmo que você não esteja nem aí pra nada disso, o lugar é uma opção de hospedagem interessante. Meio hostel, meio hotel, ele tem 60% de quartos no formato dormitório compartilhado e 40% privativos, sendo a maioria com banheiros compartilhados.
Além dos estúdios, o hotel oferece alguns benefícios legais. Muitos dos quartos têm uma pequena cozinha dentro deles, o que é sensacional pra os privativos. Talvez seja um pouco incômodo nos compartilhados, mas espero que os colegas de quarto tenham o bom senso de evitar cozinhar em horários inapropriados, né? Também tem um micro-ondas junto da recepção pra todo mundo usar, além de café, chá e maçãs gratuitos.
Eles não oferecem café da manhã, mas bem em frente tem uma farmácia onde se vendem algumas comidinhas e a poucos minutos de caminhada você encontra boas cafeterias, uma padaria badalada (Mr. Holmes Bakehouse, recomendo!) e mercadinhos.

Minha hospedagem no Music City Hotel

Passei seis noites por lá e fiquei em dois quartos privativos. O primeiro era bem incrível: grandão, com duas camas de casal, cozinha (com micro-ondas, fogão, pia e utensílios básicos), TV, mesa com cadeiras e banheiro grande. O segundo era de casal e menorzinho, mas ainda assim super confortável e com banheiro privativo também. Ambas as camas eram do tipo que você sofre pra abandonar de manhã, com lençóis macios, travesseiros fofos e edredons quentinhos. Não posso falar com propriedade dos quartos compartilhados, mas dei uma espiada e pareceram legais.
onde se hospedar em san francisco
quarto do hotel music city em san francisco
Apesar de rolarem ensaios nos estúdios até 23h, não ouvi nenhum barulho do meu quarto. Caso você seja do rock e queira barulho, é só descer lá e escutar – ou até assistir, caso estejam tocando numa sala com porta de vidro. Ah, enquanto eu tava lá rolou até karaokê com pizza e refri grátis lá embaixo. <3
Outro ponto positivo é a localização. Não é top das galáxias, mas tem ônibus pra todo lugar e dá pra ir andando (uns 20 minutos) até a Union Square, a estação de onde saem o BART (trem que vai até o aeroporto) e o famoso bondinho da cidade, a Chinatown e bairros com restaurantes e bares interessantes, como Fillmore (recomendo o Troya, de comida turca). Também achei uma região segura; tem moradores de rua, como em boa parte de San Francisco, mas me senti muito tranquila andando sozinha por lá.
Sem falar no preço: hospedagem em San Francisco é um troço caro, e pra os padrões da cidade eles tão excelentes. Numa pesquisa agora pra uma noite em quarto compartilhado em setembro de 2018, ele foi o mais barato entre os hostels com nota maior do que 7,5 no Booking.
banheiro do hotel music city em san francisco
banheiro de quarto privativo do hotel music city em san francisco
Em relação aos pontos negativos, achei contornáveis: não tem muitos banheiros compartilhados (abaixo tem a foto de um deles), mas não vi gente fazendo fila e estavam limpos sempre que chequei. O prédio é antigo e não tem elevador, mas são só dois andares, então se você não tiver muita bagagem pesada ou problemas de locomoção, acho tranquilo. A recepção só funciona das 9h às 23h, mas se você for chegar fora desse horário é só entrar em contato com eles pra avisar.
banheiro compartilhado
Além disso, atualmente a única área comum pra interagir com outros hóspedes fica no subsolo, na parte dos estúdios, e acredito que muitos nem chegam a ir lá. No entanto, se você se hospedar lá daqui a uns meses provavelmente vai poder conhecer bastante gente em toda aquela estrutura nova que tá sendo construída. Resumindo? Achei o conceito muito massa e o custo-benefício bem digno.
Quer conferir os quartos disponíveis e os preços das diárias para as datas da sua viagem? Clique aqui.
A blogueira se hospedou no Music City Hostel e Hotel em abril de 2018 a convite do estabelecimento. As informações expressas aqui são totalmente sinceras e esse texto não sofreu nenhuma interferência dos responsáveis pelo hotel. O Janelas Abertas preza pela transparência e sempre sinaliza eventuais parcerias ou patrocínios. Para saber mais, leia as políticas de monetização do blog.

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

0 Comentários

Deixe o seu comentário