Viagem pra Dentro

Study session em Budapeste: uma semana que me abriu os olhos

Chipre, Bósnia e Herzegovina, Moldávia, Suécia, Dinamarca, Bulgária, Azerbaijão, Alemanha, Áustria, Paquistão, Tunísia, Sérvia, Palestina, Espanha, Eslováquia, Geórgia, Hungria, Ucrânia, Bélgica, Síria. Foi no meio dessa mistura de nacionalidades que eu passei a última semana, instalada no European Youth Centre, em Budapeste, participando de uma study session promovida pelo European Youth Press sobre minorias e mídia.

A galera toda no jardim do EYC. Foto de Martin Hanzel

A galera toda no jardim do EYC. Foto de Martin Hanzel

Me inscrevi sem expectativas de ser selecionada e quando recebi o convite cheguei a pensar em não ir, por causa das obrigações do mestrado. Mas ainda bem que me escolheram e ainda bem que aceitei! Foram dias superintensos, com debates e workshops o dia inteiro e intervalos regados a muito café e conversas incríveis. Como resultado, muitos contatos, algumas amizades que espero manter e várias ideias pro futuro ^^

Leia também:

Como foi participar do World Forum for Democracy em Strasbourg
Todos os posts sobre Budapeste

Tive a imensa sorte de ter como colega de quarto uma cipriota super doce e competente, e entre os meus colegas tinha repórteres da BBC e Deutsche Welle, uma correspondente dinamarquesa na Cisjordânia, um coordenador de ativismo juvenil palestino, além de outros tantos jornalistas e ativistas cheios de experiência e de histórias pra contar. Foi inspirador ver tanta gente jovem fazendo coisas tão incríveis, com culturas tão diferentes, mas com algumas coisas em comum, como a vontade de aprender e de contribuir pra um mundo em que os direitos humanos sejam respeitados.

Aprendendo a usar lógica pra analisar o discurso da mídia. Foto de Martin Hanzel

Aprendendo a usar lógica pra analisar o discurso da mídia. Foto de Martin Hanzel

Perambulei um pouco pelas ruas de Budapeste, uma cidade muito mais legal do que eu esperava. Entrevistei Ágnes Osztolykán, a única mulher roma (“cigana”) no parlamento húngaro. Conheci o interessante 8º distrito da cidade, que é lar pra muitos imigrantes e minorias étnicas e religiosas e tem fama de perigoso – só fama. Admirei a vista do parlamento todos os dias da varanda do EYC. Comi muito. Perguntei muito, escutei mais um montão e acho que até ensinei um pouco.

Foi uma semana intensa, de desafios e aprendizados a cada minuto. De receber críticas construtivas, trabalhar com pessoas desconhecidas e com hábitos diferentes dos seus, aprender a usar ferramentas novas, refletir sobre práticas tão arraigadas no jornalismo, lidar com a pressão (dos outros e minha). De deitar à noite, cansada, e não conseguir dormir porque o cérebro não parava de processar as coisas que aconteceram durante o dia. De compartilhar tudo isso com um monte de gente legal, de participantes a organizadores. E ver os resultados lindos do trabalho de todo mundo no final ^^

Nossa vista feinha

Nossa vista feinha

Além de tudo que discutimos sobre minorias, direitos humanos e jornalismo, aprendi outras coisinhas. Descobri que nos balcãs tá super na moda ver novelas e séries espanholas e a galera entende/fala altas coisas em castellano por causa disso, que se chamar Jihad é comum no Oriente Médio, que os vinhos da Moldávia são muito bons, que no dia de Sant Jordi (São Jorge) os catalães dão livros de presente às pessoas queridas, que o anti-semitismo tá crescendo na Hungria, que os bares de Budapeste são incríveis e que cocos matam mais que tubarões. E descobri que realmente é possível ir bem longe quando a gente sonha alto – ou, como resumiu o recadinho de despedida da minha nova amiga Laura: Keep dreaming. Dreams come true.

Cultural market: três passos para tornar-se um sueco

Cultural market: três passos para tornar-se um sueco

Posts Relacionados

6 Comentários

  1. Solange

    AMEI!! Me parece uma das coisas mais interessantíssimas que eu já vi alguém fazer. Tu tem bagagem pra ser uma pessoa altamente metidinha, mas é a amiga mais modesta e merecedora que alguém pode ter. Linda!

    • Que linda tu! Exagero total da tua parte, mas amei o carinho :) :*

  2. Juliana Dilber

    Amei saber um pouco mais da Hungria, pois sou descendente deste País também e vou conhece-lo em breve. Parabéns por suas dicas e estudos. Abraços ju

    • Oi, Juliana! Obrigada pelo comentário e pelos parabéns ;)) Que legal que você tem ascendência húngara. Vou escrever mais posts sobre Budapeste em breve, dá uma olhada nas próximas semanas! Um abraço.

  3. Luiza

    Oiii, que incrível essa experiencia que você teve em Budapest!! Sabe se essa study session são realizados sempre e como se inscrever??
    Eu vou para Europa em janeiro, mas estou tentando aliar a minha ida com algum pequeno curso, só que não posso fazer nada caro.

    • Oi, Luiza! Esses cursos não têm uma frequência específica, mas você pode procurar online “winter course” (ou no idioma do país pra onde for) + assuntos do seu interesse… Também podes colocar “Council of europe” na busca, porque eles financiam muita coisa legal :) Um abraço!

Deixe o seu comentário