Viagem pra Dentro

6 bons motivos para viajar só

Que delícia viajar com amigos, namorad@ ou família, né? Viver aventuras com quem a gente gosta, relembrar as histórias depois, estreitar relacionamentos, tomar decisões juntos, se ajudar… Tudo isso são vantagens bem conhecidas. Mas e quando não dá pra viajar com alguém? Quando as férias não batem, as vontades não combinam, a grana não tá disponível ao mesmo tempo? E quando você simplesmente quer um tempo pra si mesmo? Dá pra viajar só? E dá pra se divertir?

Já falei aqui o que penso sobre viajar só e o quanto curti estar na estrada comigo mesma de São Paulo e Inhotim a Paris e Viena. Mas ainda vejo gente colocando empecilhos em alguns planos viajantes por falta de companhia. Pra tentar dar um empurrãozinho na galera – e em mim mesma, por que não? -, fiz uma listinha com algumas das vantagens que eu vejo nas viagens solo. Vamos a elas :D

1. Conhecer gente nova

Quando você tá acompanhado, é muito mais confortável permanecer no seu grupo, né? Não existe a “necessidade” de procurar outras companhias e é fácil se acomodar com o conhecido. Sozinho, rola um empurrãozinho natural pra puxar assunto com outra pessoa que tá só, ou com aquele pessoal simpático tomando café da manhã ao seu lado no hostel. E às vezes isso acontece sem querer: você vai pedir informação pra chegar num lugar, conversa vai, conversa vem, fez um amigo. Tá sentado lá na sua e alguém vem puxar assunto: “Tá viajando só? Que coragem!” (porque as pessoas insistem em pensar que o mundo é uma zona de guerra). Quem sabe não começam assim as situações ou conversas mais interessantes da sua vida?

2. Fazer seus próprios planos

Esse é um aspecto prático que pode até parecer egoísmo, hehe. Mas é verdade que quanto mais gente viajando junta, mais difícil conciliar as vontades de todos. Se essa “gente” se reduz a uma pessoa só, então, zero discussão ;) É claro que ceder ao que os outros querem em alguns momentos é importante, além de lhe permitir descobrir coisas que não pensava gostar. Mas também é legal poder explorar o lugar no seu próprio ritmo, parando, seguindo e mudando de planos quando bem entender.

282943_3333464661655_1070024588_n

Só, você faz seu próprio caminho ;)

Leia mais: Sobre viajar só

3. Superar medos

Muita gente tem medo mesmo de estar sozinho por aí, principalmente em outro país. Medo de não conseguir se comunicar em outra língua, medo de se perder e não achar mais o caminho, medo de não entender os mapas, medo de falar com desconhecidos. Mas aí entram duas partes massa: a primeira é que você não vai ter muita opção além de enfrentar qualquer que seja esse medo. Aí, depois de você cruzar uma barreira e ver que sobreviveu, as outras vão parecendo cada vez menores :) E a segunda coisa legal é que você tem a possibilidade de aprender a fazer o que quer que seja sem ninguém conhecido por perto pra lhe observar, pressionar ou julgar. Pedir comida em outro idioma, entender o metrô, encontrar aquele ponto turístico meio escondido: você pode fazer tudo isso no seu ritmo e as conquistas serão só suas o/

4. Aguçar os sentidos

Quando eu tou acompanhada, costumo conversar muito. Me considero tímida, mas é fato que quando tou à vontade com a pessoa, dificilmente calo a boca ^^ O lado ruim disso durante uma viagem é que acabo perdendo um pouco do que acontece à minha volta. Falar sobre o que está ao redor, contar histórias e rir é mara, mas parar e sentir também é muito bom. Sozinha, eu me sinto muito mais aberta ao mundo exterior. Meus sentidos parecem ficar mais aguçados e eu sinto mais cheiros, ouço os barulhos da rua e as conversas e a forma em que as pessoas falam. Paro e aprecio com calma uma comida gostosa. Observo o olhar das crianças brincando, dos jovens na escada da faculdade, dos idosos no metrô. Por isso, apesar de achar ótimo conhecer pessoas, também gosto de aproveitar os dias de viagem pra seguir meio anônima, me guardar mais pra mim. Desacompanhada, acho mais fácil me dedicar à contemplação e, no meio do caminho, descobrir sensações diferentes.

Comida e mapa: duas companhias fundamentais

Comida e mapa: duas companhias fundamentais

5. Se conhecer melhor

Essas sensações, aliás, não se referem apenas ao mundo exterior. O estar só (que é bem diferente de “solidão”) aguça também os sentidos pra dentro da gente. Mais tempo pra pensar na vida sem a interferência das preocupações do dia a dia pode lhe ajudar a se entender um pouco melhor. Estando em situações diferentes das habituais, fora da zona de conforto, nem se fala. Às vezes me surpreendi com a forma em que reagi a alguma coisa inesperada – pra o bem ou pra o mal. E às vezes me vi rompendo os conceitos que eu mesma tinha sobre mim. O que leva ao quinto e último ponto dessa lista…

6. Poder ser quem você quiser

Ao viajar só, você não tem ninguém ao seu lado a quem dar satisfações. Não tem aquele seu amigo de infância ou namorad@ de longa data dizendo que tal comportamento não combina com você, não tem seus pais com as expectativas de sempre. Conhecendo gente que nunca viu antes, você não precisa se prender àquilo que as pessoas esperam que você seja. Sempre foi tímido? Que tal tentar puxar assunto com a galera num bar? Nunca teve paciência pra cultura “erudita”? E se der vontade de ir a um concerto de música clássica? É mais quieto, mas quer conhecer a tal balada bombástica da qual todo mundo tá falando? Por que não? Ninguém vai estranhar sua mudança, e se você não gostar da novidade não faz mal. A cada dia viajando sozinho, você tem a oportunidade de explorar seus limites, suas potencialidades e seus desejos com mais liberdade do que nas amarras da rotina e do conhecido. A cada manhã, você acorda com a possibilidade de descobrir novas partes de si mesmo, de preencher uma folha em branco com o que der na telha. Vê que divertido! :)

Tá bom ou quer mais? Pra você, por que é bom viajar só? Conta aí nos comentários!

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

21 Comentários

  1. Rosineide Pessoa

    Pois é, sempre que digo o quanto curto viajar sozinha, as vezes, as pessoas me olham atravessadas como se eu fosse uma “coitadinha solitária. Elas esquecem que existem milhares de pessoas no mundo e muitas também viajam sozinhas. Até hoje não me arrependi de nenhuma das viagens que fiz sozinha. :-)

    • Que bom, Rosineide! Queria que isso ficasse cada vez mais comum (não sei o que dizem as pesquisas, mas tenho a impressão de que está ficando, com a maior facilidade pra viajar) e as pessoas parassem de estranhar! Boas viagens pra você, sejam elas sozinha ou acompanhada ;) Um abraço

  2. Rosineide Pessoa

    Pois é, sempre que digo o quanto curto viajar sozinha, as vezes, as pessoas me olham atravessadas como se eu fosse uma “coitadinha solitária. Elas esquecem que existem milhares de pessoas no mundo e muitas também viajam sozinhas. Até hoje não me arrependi de nenhuma das viagens que fiz sozinha. :-)

    • Que bom, Rosineide! Queria que isso ficasse cada vez mais comum (não sei o que dizem as pesquisas, mas tenho a impressão de que está ficando, com a maior facilidade pra viajar) e as pessoas parassem de estranhar! Boas viagens pra você, sejam elas sozinha ou acompanhada ;) Um abraço

  3. Andrea Dias

    Luísa, sou amiga de Clarissa, que morou ano passado em Valladolid. Vou morar aqui até junho, e em julho, pretendo fazer o caminho de Santiago.

    Já usufruí de algumas das tuas dicas graças a ela (El Colmao, por exemplo) e foi bem bacana ler esse teu texto agora, para fortalecer ainda mais o espírito. Momento mais oportuno, impossível.

    Muito obrigada e continua com esse trabalho bonito!

  4. Andrea Dias

    Luísa, sou amiga de Clarissa, que morou ano passado em Valladolid. Vou morar aqui até junho, e em julho, pretendo fazer o caminho de Santiago.

    Já usufruí de algumas das tuas dicas graças a ela (El Colmao, por exemplo) e foi bem bacana ler esse teu texto agora, para fortalecer ainda mais o espírito. Momento mais oportuno, impossível.

    Muito obrigada e continua com esse trabalho bonito!

    • Oi, Andrea! Que legal que as dicas te foram úteis :) Gostou do Colmao? Acho um tesouro aquele lugar <3 Que massa que vais fazer o caminho. Vais sozinha? Muito obrigada a você pela visita e pelo comentário ^^ Um abraço e aproveita Pucela por mim!

  5. Izabela

    Acho que esse preconceito de achar quem está só, está sozinho, e ainda mais em viagens, é sofrido mais por nós mulheres. Reclamamos do machismo, coisa e tal, mas volta e meia a gente se vê tendo esse mesmo tipo de atitude com amigas. Gente, amor é ótimo, mas dependência afetiva é psicose! Vamos mudar nossas atitudes e nos aventurar mais! Parabéns pelo artigo, Luísa.

    • Bem colocado, Izabela! :) Somos livres e merecemos nos aventurar mais, como você diz. Obrigada pelo comentário! ^^ Um abraço

  6. Thelma Carvalho

    Queria muito viajar sozinha, mas tenho muito medo, o que devo fazer? me aventurar?

    • Luísa Ferreira

      Oi, Thelma! Cada um sabe seus limites, mas eu acho que vale muito a pena se aventurar sim! :) Vá aos poucos, quebrando cada vez uma barreira um pouco maior… Esse mundo é grande demais pra gente ficar parada! :)

  7. Caio

    Sensacional!!!

    Me identifiquei tanto com a linha raciocínio q resolvi deixar aqui meu elogio.
    rsrs

    Abraço!

    • Luísa Ferreira

      Que massa que você se identificou, caio! :) Obrigada pelo comentário! Um abraço

  8. Alexandra Gappo

    O pouco da experiência que tive viajando sozinha me trouxe tanta coisa boa. Foram apenas 15 dias em um lugar totalmente desconhecido (foi a primeira viagem sozinha e de cara para a Europa e para uma cidade pequena, La Rochelle- FR). Apesar de encontrar com muitos brasileiros lá, quando dava na telha, pegava a bike e saia pedalando para descobri um pouco mais da cidade. Essa sensação de parar e apenas observar é maravilhosa, você fica apenas na figuração. Até parece estar dentro de um filme. O mais gratificante foi perceber que pessoas nativas compreendiam perfeitamente o francês que aprendi única e exclusivamente no Brasil. E quando recebia elogios, pensava: “Ufa, acho que tô conseguindo”.
    Massa demais o texto, Luisa. Parabéns pelo tema!

    • Luísa Ferreira

      Que massa, Alexandra! :) Às vezes me sinto assim dentro de um filme mesmo ^^ haha. E essa sensação de conquista é inestimável, né? Valeu pelo comentário! :))) Beijo

  9. Ady Souza

    Tenho adorado e estudado mto as suas dicas e experiências, além de mto claras suas palavras são fortemente incentivadoras! Estou cada dia mais encorajada a passar um ano fora, provavelmente Irlanda. Parabéns pelo seu trabalho e divertimento rs!!

    • Luísa Ferreira

      Oi, Ady! Que bom que você tá curtindo os posts! :D Fico muito feliz por inspirar você e outras pessoas :) Vai pra Irlanda mesmo, vai ser incrível! Depois, se lembrar, vem aqui me contar como foi ^^ Um abraço e obrigada pelo comentário.

Deixe o seu comentário