Estados Unidos

Como são as visitas ao Zoológico de San Diego e ao Safari Park

Estados Unidos | 01/08/18 | Atualizado em 07/08/18 | Deixe um comentário

Eu tenho um pé atrás com zoológicos. Não só eu, né? O debate sobre a manutenção de animais em cativeiro é complexo, e mesmo os especialistas não entram em acordo. Enquanto muitos criticam desde o fato seres vivos estarem expostos em jaulas aos graves casos de maus tratos de animais, outros argumentam que os zoológicos sérios são importantes destinos pra animais resgatados de contrabando e outras situações de risco, além de promoverem valiosas pesquisas e a perpetuação de espécies em extinção.

Não tenho uma opinião 100% formada sobre o assunto. Acho que os zoológicos têm que evoluir e focar mais nos animais e menos no entretenimento, mas é uma questão complexa, já que a maioria deles precisa atrair gente pra comprar ingressos e financiar as atividades de pesquisa e educação. Pra saber mais sobre o debate sobre a existência dos zoológicos, sugiro a leitura de artigos como esse e esse em português e esse outro em inglês.

Visitei o Zoológico de San Diego e o Zoo Safari Park, na Califórnia, porque muita gente me disse que o trabalho deles é sério. Como turista, as experiências foram bem legais, e pesquisando encontrei muitas informações positivas sobre o trabalho de conservação que eles promovem. Nesse post, vou falar um pouco sobre esse aspecto e sobre as visitas em si.

Antes de mais nada, uma apresentação básica: o Zoológico de San Diego é um dos zoos com melhor reputação no mundo (fãs de Friends devem lembrar da alegria de Ross quando Marcel foi aceito lá :P). Ele existe há mais de 100 anos e fica na região central da cidade, colado com o Balboa Park (parque grandão e cheio de museus) e pertinho do aeroporto. Com uma área de 40 hectares, ele abriga mais de 3500 animais de mais de 650 espécies e subespécies, além de umas 700.000 plantas.

Já o Safari Park, “irmão” do zoo criado mais recentemente, fica a 55 Km de lá, na cidade de Escondido, e abriga 2.600 animais de mais de 300 espécies em mais de 700 hectares. É MUITO mais espaço pra uma variedade bem menor de animais, e apesar de achar um pouco menos interessante do ponto de vista turístico, me parece muito melhor pra os bichos.

O San Diego Zoo Global e a conservação

San Diego Zoo Global é uma instituição sem fins lucrativos que opera tanto o Zoológico e o Safari Park quanto o San Diego Zoo Institute for Conservation Research e o San Diego Zoo Global Wildlife Conservancy. Através dessas organizações, eles desenvolvem dezenas de projetos de pesquisa em vários países e trabalham com espécies ameaçadas.

A instituição e seus parceiros já salvaram da extinção, por exemplo, o Condor da Califórnia: só existiam 22 animais dessa espécie nos anos 1980, e hoje são cerca de 400. Outro projeto de que eles se orgulham é o de reprodução de rinocerontes.

Sou totalmente leiga, mas comparando com outros zoos que já visitei (que não foram tantos, na verdade), achei a estrutura de ambos os parques boa tanto pra os visitantes quanto pra os animais. E no Safari Park, como comentei, o espaço é bem maior que em um zoológico normal.

É lógico que os bichos estariam mais felizes no seu habitat natural, num mundo ideal onde não corressem riscos e precisassem ser resgatados, preservados e estudados. Mas além de parecerem ter uma área relativamente confortável pra viver, a maioria dos bichos do zoo tem como se esconder quando não tá a fim de encarar os olhares dos visitantes.

Pra ver mais animais, aliás, o ideal é chegar no início da manhã, já que quando o sol fica mais forte muitos deles se recolhem pra dormir na sombra ou num desses “esconderijos”, que foram criados de propósito.

Conheço pessoas que moram em San Diego e acompanham o trabalho do zoo há anos e me falaram que eles têm mesmo muitas ações com fins de preservação e educação. Não pretendo convencer ninguém de que vale a pena visitar zoológicos, mas caso você curta esse tipo de programa e queira visitar uma instituição ética, o Zoo e o Safari Park de San Diego parecem boas opções. :)

Como é a visita ao zoológico de San Diego

O acesso ao zoológico de San Diego é fácil tanto de transporte público quanto de carro (tem estacionamento). É bom chegar cedo pra evitar filas, especialmente em alta temporada, já que o zoo é uma das principais atrações turísticas da cidade e vive cheio. Você também pode comprar o ingresso online, pra evitar a fila da bilheteria.

Ônibus panorâmico

Logo na entrada você vai encontrar uma área com flamingos lindões, mas depois de admirá-los eu sugiro que em vez de sair andando você pegue logo o ônibus de primeiro andar que tá incluído no ingresso. Ele dá uma volta ao redor do parque em 35 minutos, passando por grande parte do lugar.

O ponto de saída fica bem na entrada do zoo e é fácil de achar. O passeio é bem legal e conta com a narração de uma guia, que vai explicando sobre várias das áreas por onde passamos e os animais que conseguimos ver a partir do ônibus.

flamingos

ônibus no zoológico de san diego

Acho esse rolê uma ótima introdução ao zoológico, porque dá pra ver muitos bichos razoavelmente bem e dá uma ideia “panorâmica” do espaço, ajudando a decidir pra onde você quer ir depois, a pé. Também é bom ir lá assim que chegar, caso você chegue cedo, pra evitar filas.

Recomendo sentar na parte de cima, que é aberta, mas é bom passar protetor solar porque bate muito sol em boa parte do ano. O ponto final do ônibus é bem pertinho do de saída, e aí você pode continuar seu passeio.

Passeando pelo zoológico de San Diego

Já com uma ideia melhor de como tá disposto o zoo, sugiro dar uma olhada no mapa do zoológico pra traçar uma rota de acordo com seus interesses. Minha primeira parada foi na Urban Jungle, onde ficam as girafas (meu animal preferido) e outros bichos quase tão simpáticos quanto elas (sim, sou muito fã :P), como zebras, ursos e rinocerontes.

De lá seguimos pra o Outback Australiano, onde vimos coalas lindinhos tirando uma soneca (o que não foi surpreendente, já que eles dormem cerca de 22 horas por dia). Nessa área você também encontra outros animais típicos da Austrália, como uns que parecem mini cangurus (sorry, esqueci de anotar o nome!).

coala no zoológico de san diego

Depois fomos pra Africa Rocks, zona que foi inaugurada recentemente e abriga desde grandes camelos a engraçados suricatos. O ponto alto pra mim nessa área foram os pinguins. <3 Eles são fofos na superfície, mas melhor ainda é descer pra uma parte que é como um aquário e vê-los passar nadando entre cardumes de peixes.

suricato no zoo de san diego

procurando pinguins no zoológico de san diego

pinguim no zoológico de san diego

A parada seguinte foi o Panda Trek, onde obviamente os pandas são a principal atração. Tivemos a sorte de pegar dois pandinhas acordados e comendo bambu: basicamente a coisa mais fofa do mundo. :) Que as girafas não me ouçam, mas elas ganharam um forte competidor no meu coração depois desses pandinhas.

Pena que não dá pra passar a vida inteira olhando pra eles (e fotografando), porque sempre forma uma fila nessa área e é preciso dar vez aos coleguinhas. Se você for ao zoológico de San Diego em alta temporada e conseguir chegar cedo, talvez valha a pena começar o passeio por essa área pra pegar filas um pouco menores.

panda no zoológico de san diego

panda comendo no zoológico de san diego

Também vimos por ali um leão e uma leoa dorminhocos e elefantes africanos e asiáticos, na área chamada de Elephant Odyssey. E aí fomos até a Northern Frontier, onde ficam os ursos polares, mas achei mais fácil de vê-los desde o topo do ônibus do que do chão (e na real fiquei foi com pena deles ali no calor).

leão nozoológico de san diego

leoa no zoológico de san diego

Por fim, pegamos o teleférico: chamado de Skyfari, ele dá direito a uma vista bem bonita e tá incluso no ingresso. É possível, inclusive, ficar indo e vindo quantas vezes você quiser, como me informou um senhorzinho simpaticíssimo que trabalhava como voluntário no zoo. <3 Com mais tempo, teria super feito isso.

teleférico no zoológico de san diego

teleférico no zoológico de san diego

Não visitamos a Lost Forest, onde você encontra várias espécies de macacos, incluindo grandes gorilas, nem as áreas dedicadas a répteis e pássaros. Fora isso, vimos quase todo o zoo em uma manhã, mas a visita foi meio corrida. Se você quiser curtir o zoológico de San Diego com calma, especialmente com crianças, vale a pena reservar pelo menos umas cinco horas pra ele.

Também vale dar uma olhada nas atrações com horários marcados, em que funcionários compartilham curiosidades sobre animais específicos em diversas partes do zoo. Existem ainda atividades voltadas pra crianças, como pintura de rosto com tema de animais, além de lojinhas de souvenir e várias lanchonetes temáticas (com aquele tradicional preço inflado que sempre rola nesses lugares).

Serviço

Atualmente, os ingressos custam 54 USD pra adultos e 44 pra crianças (de 3 a 11 anos). Acesse o site oficial do Zoológico de San Diego pra ver informações atualizadas sobre horários de funcionamento e preços de ingressos, além de instruções detalhadas de como chegar lá.

Como é a visita ao Safari Park em San Diego

Além do Zoológico de San Diego, outro espaço que faz parte da mesma “família” é, como mencionei, o Safari Park. Esse “irmão mais novo” se chamava antes Wild Animal Park, e é ainda mais dedicado à conservação e reprodução de animais. Ele fica na cidade de Escondido, perto de San Diego, mas acho que não é fácil ir sem carro.

Também dá pra comprar os ingressos online com antecedência, mas ao menos em maio não tinha tanta gente. Cheguei logo antes de abrir e foi ótimo porque além de não pegar filas pra entrar flagrei um monte de bichos tomando café da manhã, de grandes elefantes africanos a duas charmosas leoas. :)

Passeio de trem

Assim como no Zoológico de San Diego, recomendo começar o passeio fazendo um “reconhecimento de campo”, que no Safari Park é feito em um trenzinho chamado Africa Tram.

Ele também tá incluído no ingresso e conta com um guia que vai explicando o que você tá vendo durante o percurso, além de falar sobre alguns dos projetos de conservação da organização. O passeio dura cerca de 25 minutos e costuma ter saídas a cada 15 minutos.

trenzinho no safari park

trenzinho no safari park

trenzinho no safari park

Passamos por áreas mais afastadas e bem amplas que simulam diferentes habitats e reúnem animais de diferentes espécies que vivem em cada um desses ecossistemas, reproduzindo a realidade deles na natureza. A parte mais legal é a chamada de African Plains, onde você vê (a distância) animais como girafas, zebras, antílopes e avestruzes.

girafas no safari park

planície no safari park

Passeando pelo Safari Park

Depois do passeio de trem, é só ir andando nos pontos que lhe interessarem mais. Você pode dar uma olhada no mapa do parque pra ver o que lhe espera por lá, mas saiba que o espaço é bem grande, então se você quiser conhecer tudo, tem que caminhar bastante.

Eu escolhi focar em algumas áreas que me interessavam mais, como o Elephant Valley, o Lion Camp (onde vi os leões matando a fome e fiquei impressionada :P) e o Tiger Trail, e passei um bom tempo admirando cada animal.

leões no safari park

elefantes no safari park

tigres no safari park

Quem vai com crianças deve curtir a Nairobi Village, que tem um pequeno playground e um cercadinho com cabras (ou bodes, ou algo parecido :P) onde é possível entrar e “interagir”.

animais no safari park

Outra área onde rola algum contato com os animais (que eu não curto muito) é onde ficam os passarinhos chamados lorikeet: você pode comprar néctar pra oferecer a eles e, se tiver sorte, um deles pode pousar em você.

pássaro no safari park

Atividades extra

O Safari Park oferece ainda várias “experiências” com custo extra, como o Caravan Safari (a partir de 125 USD por pessoa), em que você anda um carrinho tipo safari no meio da área onde ficam alguns animais, como as girafas. Tem também outras versões mais simples desse passeio que custam a partir de 54 USD.

atividade extra no safari park

Outras opções de atividades são um balão que alça voo amarrado no chão (Balloon Safari), uma tirolesa (Flightline Safari, a partir de 79 USD) e até um camping “de luxo” (Roar and Snoar Safari, a partir de 140 USD) pra quem quiser passar a noite no parque, pertinho dos animais. Pra ver todas as opções, descrições e preços atualizados dos “safaris”, acesse o site oficial.

acampamento no safari park

Serviço

Atualmente, os ingressos custam 54 USD pra adultos e 44 pra crianças (de 3 a 11 anos). Acesse o site do Safari Park pra conferir informações atualizadas sobre horários de funcionamento e preços de ingressos, além de instruções detalhadas de como chegar lá.

Visitei o Zoológico de San Diego e o Zoo Safari Park a convite do San Diego Zoo. As opiniões expressas aqui são minhas e não sofreram nenhuma interferência da instituição. O Janelas Abertas preza pela transparência e sempre sinaliza eventuais parcerias e patrocínios. Saiba mais sobre as políticas de monetização do blog.

Contrate seu seguro viagem com desconto
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

0 Comentários

Deixe o seu comentário