Argentina

Cataratas do Iguaçu: visitando o lado argentino

Argentina | 03/02/17 | 52 comentários

Disputas futebolísticas à parte, em um assunto eu sou #TeamArgentina: pra mim, as cataratas do lado dos nossos hermanos são mais interessantes de se visitar do que as nossas. Tem muita gente que discorda, claro; por isso, não deixe de reservar um dia pra versão nacional do parque também. Mas caso você resolva confiar no meu gosto, deixe pra ir na parte argentina depois da brasileira: assim, você vai criar uma curva ascendente de encantamento na sua viagem. ;)

Antes de ir

Ir até o Parque Nacional de Iguazú, na Argentina, significa entrar em outro país, por mais que ele fique bem pertinho da fronteira. Por isso, tem algumas coisinhas às quais você deve ficar atent@ antes de ir. A primeira é a documentação: não se esqueça de levar sua identidade ou passaporte e, caso esteja com menores de idade desacompanhados de um ou ambos os pais, o documento de autorização de viagem ao exterior.

Tem também a questão do tempo: ao cruzar a Ponte Tancredo Neves e sair do Brasil pra Argentina, você vai ter que mostrar os documentos pras autoridades. O procedimento costuma ser rápido, com uma breve checagem e pronto, mas também é possível que peçam pra ver o que tem no seu porta malas ou algo do tipo. Em alta temporada, rolam umas filas de carros nessa entrada, então leve isso em consideração na hora de planejar seu dia.

fronteira-foz-argentina1

fronteira-foz-argentina2

Outra coisa é o dinheiro: o ingresso e o estacionamento do parque só podem ser pagos em pesos. Embora existam casas de câmbio por lá, são preciosos minutos que você perde trocando dinheiro enquanto podia estar já curtindo o passeio. Por isso, preferi fazer as contas de quantos pesos ia precisar (somando os ingressos de todo mundo do meu grupo, o estacionamento e um extra pra alguma emergência) e troquei a moeda aqui no Recife mesmo, antes de viajar. Pra saber como encontrar a casa de câmbio com as melhores taxas na sua cidade, leia esse post. Dentro do parque dá pra usar cartão e também pagar em Reais.

E se você for de carro, não deixe de obter o seguro Carta Verde, que protege terceiros afetados por acidentes de trânsito durante a viagem. Não me pediram pra mostrá-lo na entrada, mas pode ser que alguém peça na fronteira ou pelas ruas argentinas e você vai ser multado se não estiver com a apólice. A empresa onde alugamos o carro nos indicou um escritório que ficava no nosso caminho pra Argentina, na Av. Mercosul, 101. É uma casinha simples, com uma placa escrito “Carta verde” na frente. O documento é emitido na hora e custa por volta de R$ 50 com validade de três dias.

Leia mais:

Cataratas do Iguaçu: lado brasileiro

Procurando hospedagem em Foz do Iguaçu? Clique aqui e encontre hotéis, pousadas e albergues com o melhor preço.

Como funciona o Parque

No começo do parque você encontra banheiros, um centro de visitantes com exposições, lojinhas de souvenirs e um quiosque de informações, onde um funcionário nos deu um mapinha e sugeriu a melhor ordem pra fazer os principais passeios, por causa da luminosidade: primeiro a Garganta del Diablo, depois o Circuito Inferior e depois o Circuito Superior.

A estimativa dele era que faríamos a primeira parte em 2h e as seguintes em 1h cada. Demorei um pouco mais do que isso (tirando mil fotos, claro), mas não muito. Chegamos lá umas 8h e saímos umas 15h30 – dava pra ter feito outros passeios por lá, mas o pessoal que tava comigo queria ir no Duty Free (e enquanto isso eu fui pra piscina, porque não sou obrigada).

Achei uma boa ordem, porque como chegamos cedinho ainda não tinha tanta gente indo pra Garganta del Diablo, que é a principal atração do lugar (apesar de não ser minha preferida). Assim, chegar até lá não foi tão perrengue como eu pensava. Explico: eu já tinha lido que o lado brasileiro é muito mais organizado, com ônibus panorâmicos que saem com frequência, enquanto no argentino pra chegar à Garganta é preciso esperar por um trenzinho que só passa de meia em meia hora e anda a 18 km/h. Atualmente, ele começa a circular às 8h30. Olha aí embaixo como ele é bonitinho. :)

cataratas-iguazu-trem

Como as estações Central e Caracas, de onde sai o trem, ficam perto da entrada, vale a pena dar uma passada lá e, se a fila não estiver enorme e o próximo trem estiver perto de chegar, aproveitar pra fazer logo esse passeio. Depois de se abestalhar com a imensidão de águas e tirar um monte de foto (claro), você pega o trenzinho de volta da Estación Garganta até a Estación Cataratas e fica tranquilo pra percorrer as outras trilhas no seu ritmo, sem se preocupar com horários e filas. Ah, achei tudo bem sinalizado e as trilhas são leves e não têm muitos desvios, então é bem fácil percorrer os caminhos principais até sendo sedentári@ como eu \o/ Fiz um apanhado desses três passeios, que você lê a seguir.

Garganta del Diablo

Depois de descer do trem, você vai andar por uma passarela de 1100 metros até chegar na atração mais famosa do Parque Iguazu: a versão argentina da Garganta do Diabo, que é a queda mais volumosa entre as 275 que integram o sistema das Cataratas do Iguaçu.

O caminho é acessível e dá pra pessoas de cadeira de rodas e com dificuldades de locomoção chegarem lá sem muitos problemas. Já comecei a curtir o passeio nessa parte, porque a passarela de metal passa por cima do rio, cruzando árvores, pássaros, tartarugas, jacarés e um monte de borboletas que interagiam com todo mundo, pegando carona na minha mochila e tudo :P

garganta-diabo-argentina-passarela1v2

garganta-diabo-argentina-borboleta

garganta-diabo-argentina-passarela2v2

Chegando lá, duas coisas chamaram minha atenção: a quantidade de gente (problemas da alta temporada) e, claro, a força da queda d’água, que é realmente impressionante. A queda tem mais de 80 metros de altura e nem dá pra ver onde “termina” a água, porque a pressão é tanta que se formam umas nuvens de gotas no que parece um enorme buraco no chão. Lindão, né? Mas pra mim o ponto alto nem é esse ainda. Continua lendo aí!

garganta-diabo-argentina6v2

garganta-diabo-argentina5v2

 

garganta-diabo-argentina1v2

 

garganta-diabo-argentina2v2

Circuito Inferior

De volta à Estação Cataratas, procurei a placa do Circuito Inferior, que foi meu preferido. Com 1.700 metros de extensão, essa trilha passa pela mata e dá acesso a vistas muito lindas de várias quedas d’água de diferentes tamanhos. Achei esse passeio uma delícia, porque você vai descobrindo as belezuras aos poucos, sabe? Uma vibe meio Indiana Jones, só que com toda a praticidade de passarelas e escadas haha.

cataratas-inferior4v2

cataratas-inferior2

cataratas-inferior1v2

cataratas-superior2v2

cataratas-inferior6v2

cataratas-inferior5v2

Circuito Superior

Depois, voltamos pro ponto inicial e começamos o Circuito Superior, que também tem uns 1.700 metros de extensão, salpicados por vistas panorâmicas das quedas d’água. A diferença entre os dois tá clara pelo nome, né? Enquanto no inferior você tem uma visão mais “de baixo”, nesse a vista é de cima dos saltos. No caminho, tem uns bancos pra descansar e admirar o cenário nada careta. Confesso que talvez tenha misturado algumas fotos dos dois circuitos, mas na real não importa, porque você não vai deixar de fazer nenhum dos dois, né? Pelamor!

cataratas-superior1v2

cataratas-inferior7v2

cataratas-superior5v2

cataratas-superior4v2

cataratas-superior3v2

Outros passeios

Além desses três passeios, que são os mais “básicos”, existem outras opções como a Isla San Martín, o Aventura Náutica (que é basicamente o mesmo esquema do Macuco Safari, que fiz do lado brasileiro, só que mais barato e aparentemente mais radical), Grande Aventura, Passeio Ecológico, Safari de 4×4, passeios que vão até a Garganta del Diablo em noites de lua cheia, entre outros.

Preços

Entrada pra o parque: 250 pesos argentinos por pessoa pra cidadãos do Mercosul, ou 60 pesos pra crianças de 6 a 12 anos. Se você quiser ir de novo no dia seguinte pra fazer outros passeios, o segundo ingresso tem 50% de desconto
Estacionamento: 90 pesos argentinos
Lanches: Tem um restaurante com bufê livre, mas não encontrei o preço :B Pra lanches, vi combosde 3 empanadas (bem gostosas) por 65 pesos, pizza pequena por 100 pesos e tortas salgadas por 110
Os valores são de dezembro de 2016 e podem mudar a qualquer momento. Por favor, onfira informações atualizadas sobre horários e taxas no site oficial

Como chegar

Eu fui de carro alugado, pra ter mais liberdade, e acho que o custo-benefício foi ótimo já que estávamos em cinco pessoas. Se você não quiser ou puder alugar um, dá pra combinar com um taxista de levá-lo e pegá-lo lá, acertando um valor antes, ou contratar o passeio de alguma agência de receptivo. E tem também a opção mais econômica: o bom e velho busão. Nesse post do Viaje na Viagem você encontra informações sobre os ônibus que pode pegar e como funcionam.


O que levar

Água
Lanches
Protetor solar
Roupas leves
Sapatos confortáveis
Capas de chuva (não precisei, mas é bom levar por precaução)
Repelente (não vi nem senti mosquitos, mas se você tem sensibilidade é bom se prevenir)
Se for fazer o passeio do Aventura Náutica, um bote que passa por baixo das quedas d’água, confira as dicas que dei nesse post sobre o que levar pra o Macuco Safari, que é similar (só não sei como são os lockers no lado argentino)

Outras dicas

Use roupas confortáveis. Você provavelmente vai andar bem mais do que no lado brasileiro – calculamos uns 8 a 10 km, mais ou menos. Por isso, considere abrir mão do look fashionista e apostar em roupas e sapatos realmente cômodos.

Saia cedo. Consegui ver o que mais queria com calma, mesmo na alta temporada, e ainda terminar a visita cedo, mas isso porque cheguei no parque logo depois da abertura. Se você quiser fazer algum dos passeios “extras”, então, vai precisar de bastante tempo. Vale a pena madrugar um pouco e aproveitar mais.

Não esqueça os documentos. Pra cruzar a fronteira é obrigatório ter em mãos Identidade ou Passaporte. Se no seu grupo houver menores de idade e um dos pais ou ambos não estiverem presentes, lembre-se de levar a autorização pra viagem internacional (mais informações aqui).

Cuidado com os quatis. Ainda mais do que no lado brasileiro, vi muitos animais andando no meio do povo ou pela mata ao redor da passarela: lagartos, aranhas gigantes e principalmente quatis. É importante não tocar nem alimentar nenhum desses bichos e ficar muito ligado com os quatis, que podem provocar machucados sérios ou, mais provavelmente, roubar suas coisas. Vi muita gente se esquivando desses simpáticos (mas trelosos) animais e senti na pele (ou no bolso) o problema: dei bobeira com um saquinho cheio de alfajores em cima da mesa e PUM, já era. Aprendam com meus erros! :P

cataratas-iguazu-quati2

cataratas-iguazu-quati1v2

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube

2017_01_04-728x90

Vai viajar pra o exterior? Não deixe de fazer um seguro viagem! Contrate o seguro que eu sempre uso :) Neste post você encontra um código pra ganhar 15% de desconto. Você economiza e ainda ajuda o blog a se manter vivo.

Posts Relacionados

52 Comentários

  1. Marcos Dantas

    Oi Luisa!
    Gostei do seu relato, tava procurando coisas a respeito do lado argentino e te achei.
    Tô indo lá dia 27 desse mês.
    Vai estar bem frio, mas espero que seja bom! rs
    bjão

    • Oi, Marcos! Que bom que você gostou :D Espero que goste de lá também! Acho que com frio deve ser um passeio gostoso ^^ Um abraço!

  2. Mayara Fernandes

    Olá! Gostei do seu relato, ele acabou me fazendo mudar de ideia. Eu tenho apenas um dia em Foz, então só poderei visitar um lado das Cataratas. Ia no lado brasileiro mas agora quero ir no Argentino. Tu achas possível visitar o lado argentino e depois passar no Parque das Aves? Queria dar uma olhada nas aves lindas que tem lá. Obrigada!

    • Oi, Mayara! Que bom que você gostou do relato :) Sobre passar no Parque das Aves, não sei se você terá tempo, porque ele fecha às 17h :T Seria mais fácil depois do lado brasileiro, que fica pertinho… Mas se você chegar cedo nas cataratas talvez dê pra dar um pulo rápido, sim. :)

  3. Vanessa

    Olá, pretendo visitar o parque e mesmo lendo o post ainda fiquei com uma dúvida, o ingresso da entrada é em peso argentino mas os ingressos para as atrações também é? Ou eles podem ser comprados em real? Adorei o post, obrigada pelas dicas!

    • Oi, Vanessa! Dentro do parque dá pra usar cartão e também pagar em Reais. :) Bom passeio!

  4. julie

    Olá luísa.. dá pra fazer os três passeios que você cita aqui mais a aventura náutica no mesmo dia?

    • Oi, Julie! Se você chegar cedo, sim :) Como comentei no post, chegamos lá umas 8h e saímos umas 15h30. Se ficássemos mais tempo poderíamos fazer o Aventura Náutica, por exemplo. Um abraço!

  5. Caio Roberto

    Oi!
    Adorei o site, e adorei a forma que cê fala, é bem espontânea hahah parabéns!

    • hahah poder escrever assim é uma das melhores partes de ter meu próprio ~veículo de comunicação~ ;) que bom que você curtiu! um abraço :D

  6. Renata

    Olá Luisa!
    Obrigada por compartilhar sua experiência. Irei no próximo mês com uma criança de 4 anos e um idoso que consegue andar normalmente (mas num ritmo devagar) e você acha que é tranquilo fazer com eles ao menos a Garganta Del Diabo?

    Obrigada

    • Oi, Renata! É sim, vi muita gente com carrinho de bebê e cadeira de rodas. Imagino que seja tranquilo com idoso e criança, sim, porque tem plataformas. Só andar devagarinho :) Um abraço e boa viagem!

      • Renata

        Que ótimo! Muito obrigada!
        Beijos e ótimas viagens para você!

  7. Rejane Ávila

    Adorei as dicas. Estarei indo com meu esposo final de outubro e as dicas foram super úteis.

    • Que bom, Rejane! :D Espero que vocês curtam muito! Não sei se você viu, mas aqui no blog também tem posts sobre a Usina Itaipu, o lado brasileiro das Cataratas e o Parque das Aves, lá em Foz. Um abraço

  8. edson da costa

    ola gente meu nome e eddy mello eas dicas da luisa ferreira são hilárias mesmo sou morador de foz do Iguaçu e trabalho na área de turismo,e de tanto os turistas me pedirem informações e me agradescerem pelas dicas que dou a eles aqui da cidade visando sempre a economia para o viajente meu lema e vamos explorar o turismo não o turista ne gente criei um canal no you tube que dou varias dicas de rotas preços forma de visitar os pontos de ônibus tudo com filmagem on bord dentro do carro mostrando as ruas de foz valeu gente escrevesse no canal ai eddy mello ou busca la dicas de foz!!! se sugerirem dicas de vídeos que queiram mande nos comentários que estarei fazendo os vídeos sugeridos obrigado gente e bora viajar!!! viajarrr!!!!!

  9. Ângela

    Bom dia!!

    Qual a quantidade em pesos ideal para levar no passeio do lado Argentino?

    • Oi, Ângela. Recomendo que você acesse o site oficial das Cataratas pra ver o preço atual dos ingressos e estacionamento e faça a conta que eu fiz, somando os ingressos de todo mundo do seu grupo, o estacionamento (caso vá de carro) e um extra pra alguma emergência. Um abraço!

  10. Álvaro Cabral de OLiveira

    Gostaria de conhecer as Cataratas do lado Argentino, será que dá para eu pegar um ônibus em Foz de Iguaçu atravessar para o lado Argentino, pegar um ônibus no Terminal até as cataratas visitar o parque e fazer o mesmo percurso de volta?

  11. Fernanda

    Luiza meu filho não tem identidade ao certidão de nascimento consigo entrar na Argentina e fazer os passeios com ele .

    • Oi, Fernanda! Eu acredito que não. O ideal seria você emitir o RG do seu filho (e não se esqueça da autorização de viagem caso o pai não vá junto com vocês), mas você pode entrar em contato com as autoridades da Argentina pra confirmar os requisitos pra entrada no país. Um abraço!

  12. Jefersson Goedert

    Olá, boa tarde! Ótimo post. Fiquei só em dúvida na questão dos valores, poderia me informar qual o valor de um adulto?

  13. Patricia Dias

    Oi Luísa, parabéns pelo texto, adorei! Uma dúvida: o lado argentino molha tanto quanto o lado brasileiro?! Fiquei encharcada, nas pernas e pés (capa de chuva foi ótima para a parte de cima!)

    • Oi, Patricia! Acho que depende um pouco do fluxo de água na época da sua visita, mas na minha experiência não me molhei no lado argentino. Só me lembro de um trecho (esse da última foto antes do subtítulo “circuito superior”) em que tive que proteger a câmera, mas não cheguei a ficar encharcada. A passarela da Garganta do Diabo lá não passa tão “no meio da água” quanto no lado brasileiro. Um abraço!

  14. Marieli Hoff

    Oi Luisa!! Adorei suas dicas… estive em Foz a dois anos atras e não consegui aproveitar tudo o q o lado Argentino proporciona!! Agora irei de férias com mais tempo e suas dicas foram excelentes!! Valeu!!!!!!

    • Oi, Marieli! Que ótimo que você vai poder voltar :) Aproveita muito! Um abraço

  15. Marcia Zambon Farias

    Bom dia, Luísa tudo bem?

    Adoramos as tuas dicas. Já fomos para Foz, mas não conseguimos ir no lado argentino e teu relato nos ajudou muito. Em qual época tu fostes? Falastes muito em ‘alta temporada’ e queria entender qual foi a época..Thanks a lot!!

    • Oi, Marcia! Fui entre Natal e Ano Novo :) Que bom que o post ajudou! Boa viagem pra vocês!

  16. Fernanda

    Oi Luisa! Adorei seu post
    Me ajudou muito!

    Vou pela 1ª vez em fevereiro e estou um pouco perdida rs

    Uma dúvida, o parque e as cataratas são passeios diferentes?

    • Oi, Fernanda! Que bom que o post foi útil :D As cataratas ficam no parque! :) Boa viagem \o/

  17. FELIPE SEIBT

    Olá. Achei bem legal as dicas. Ano passado estivemos lá no lado brasileiro. Agora em março vamos visitar o lado argentino. Moramos no RS e pretendemos voltar de carro pela Argentina até a fronteira com o RS. Alguma dica de cidades e lugares legais neste trecho?.

    • Oi, Felipe! Infelizmente nunca viajei muito por ali, então não sei te dizer :( Mas com certeza tem muita coisa linda pra ver por ali. :) Boa viagem!

  18. Pamela

    Oiii… esse passeio de trenzinho é essa trilha estão inclusos no valor de entrada do parque, ou são comprados separadamente?!

    • Oi, Pamela! O trem e a trilha fazem parte do ingresso, sim :) Outros passeios são cobrados à parte, mas esses são necessários pra explorar o parque. Um abraço! :)

  19. Sabrina Braga Castanheira

    Olá! Obrigada pela post. Estou no site oficial mas não encontro onde está o preço do ingresso atualmente, para ver se mudou. Nos passeios, como a aventura náutica, está dizendo “no disponible”. E queria saber se os lanches que tem, como as empanadas, podem ser pagos em reais ou só em pesos. Obrigada!

    • Oi, Sabrina! Quando estive lá, dentro do parque era possível usar cartão e também pagar em Reais pelos lanches. Entrei agora no site oficial e encontrei os preços atuais clicando em “Parque Nacional Iguazú/Tarifas” no menu superior. O valor atual para residentes do Mercosul é 400 pesos. Sobre o Aventura Náutica, estou procurando informações para saber se foi suspenso e ainda não consegui descobrir. Se souber te aviso! E se você for pra lá e descobrir antes de mim, agradeço se puder avisar aqui pra que eu atualize o post :) Um abraço e boa viagem!

  20. Amanda

    Adorei as dicas, mas ainda fiquei na duvida em um ponto , pois é minha primeira viagem para foz, é possível atravessar a fronteira e entrar no parque pelo lado argentino sem passaporte, usando apenas rg atualizado?

  21. ana helena

    Oii, amei as dicas!!
    Tenho uma dúvida que está me preocupando? Tenho que estar com a vacina da febre amarela em dia para atravessar a fronteira? Preciso daquele certificado de vacina internacional?

  22. Marcelo

    Olá!! Muito bom seus posts!
    Poderia me ajudar com uma dúvida?
    O passeio náutico, se estiver funcionando, pode ser pago em real ou somente peso?

    • Oi, Marcelo! Acredito que pode ser pago em real, mas infelizmente não posso confirmar porque não chequei essa informação quando fui :/ Também não sei até quando ele ficará suspenso… Desculpa por não poder ajudar mais! Um abraço :)

  23. Geovana Aparecida da Silva

    Quem pretende ir ao lado argentino das cataratas deve reservar o dia só pra isso. Faz tempo que fui la e gostaria de voltar de novo e desta vez vou reservar dois dias pra isso pq me disseram que tem cachoeiras e piscinas naturais onde posso entrar. Esta não quero perder.

    • Oi, Geovana! Com certeza :) É um passeio de no mínimo um dia inteiro! Boa viagem :D

  24. Antonio Claudio Teixeira Cruz

    Valeu, menina! Vou lá conhecer!

  25. Lorena Araujo

    adorei a explicação, super divertida e muito bem informada! :) trabalho como agente de turismo e acredito q tenha explicado ate melhor do q eu explicaria huahsu

    • Oi, Lorena! Que massa que você gostou hahaha :) Muito obrigada pelo comentário <3

  26. Claudia

    Oi, Luísa! Suas dicas ajudaram muito! Mas ainda tenho duas dúvidas: primeiro, o custo para visitar e fazer o passeio nas cataratas argentinas é maior do que no lado brasileiro? Segundo, existe lugar para fazer troca de roupa dentro do parque?
    E vc não devia ter falado das aranhas, já estou em pânico aqui! kkkkkk

    • Oi, Claudia! O custo não é super diferente. Pra saber os preços atuais o ideal é você olhar o site oficial de cada parque, porque os valores podem ter mudado desde que eu fui, mas na época eram 250 pesos argentinos (atualmente uns R$ 35, acredito) pra um e R$37,30 pra outro, sendo que no lado argentino você também tem que considerar um custo de transporte um pouco mais alto (e o seguro carta azul, caso vá de carro alugado). Tem lugar pra trocar de roupa na parte do Macuco Safari, no lado brasileiro, e tem vários banheiros em ambos os parques. E as aranhas ficam bem na delas, pode ficar tranquila! É mais importante ficar de olho nos quatis hahah. Boa viagem!

Deixe o seu comentário