Dicas Práticas

Albergues: dicas para escolher um que não seja uma roubada

Ficar em albergue costuma ser minha opção não só pela economia, mas também por outras vantagens que eu citei aqui. Mas é bem verdade que se você não souber escolher bem, pode cair numa roubada ainda maior do que se fosse um hotel ruim. Por isso resolvi continuar a série de posts sobre albergues com algumas dicas básicas pra escolher o seu :)

No começo da minha vida viajante, eu costumava usar o HostelWorld pra fazer minhas reservas de hostels. Hoje costumo ir primeiro no Booking pra comparar preços, condições, opiniões e disponibilidade dos estabelecimentos e também pra fazer e gerenciar minhas reservas, porque atualmente esse site também reúne muitos albergues, além de incluir também pousadas e hotéis com precinhos amigos.

Leia mais:

Albergues: Coisas úteis para levar e facilitar sua vida e a dos outros
Albergues: Vantagens e desvantagens

Caso você não encontre o que quer em nenhum dos dos sites, é uma boa dar uma olhada no site da Hostelling International, associação internacional de albergues, porque os deles às vezes só aparecem por lá (e costumam ser bons, apesar de impessoais – pelo menos na Europa).

Albergue = <3

Albergue = <3

Com o tempo, fui ficando mais rápida e certeira na escolha, por me ligar mais nas principais coisas a se observar na descrição de cada albergue. Achei que valia a pena fazer uma compilação desses itens, pra quem quiser ficar atento na hora da próxima reserva. Vamos lá:

1. Ranking. No caso de sites como o Booking é possível escolher a opção de visualizar os hostels disponíveis nos dias desejados na ordem da sua pontuação, atribuída pelos usuários do site. Essa é uma boa forma de começar: separe os primeiros colocados pra ir analisando os outros critérios de cada um deles.

2. Preço. No entanto, tem uma pegadinha nesse primeiro item: os lugares mais bem avaliados provavelmente serão os mais caros, é claro. Se o preço estiver muito acima do que você pode pagar, obviamente eles saem da lista. Ainda assim, tente pegar opções com pelo menos 80% de rating. Em geral, vale a pena abrir um pouco a mão pra ficar num lugar que é muito bem recomendado.

3. Localização. Pra mim, esse é um dos pontos fundamentais no quesito hospedagem. Tenha uma ideia do mapa da cidade, veja onde ficam os principais lugares que você quer conhecer e observe quão fácil é chegar neles a partir do albergue. O site do Booking tem uma aba de “mapa” que é bem útil. Esse fator, no entanto, vai variar em relação aos seus objetivos: você prefere passear durante o dia ou sair à noite? Se escolher a segunda opção, o ideal seria ficar pertinho da região mais badalada madrugada adentro, por exemplo. Estar junto de uma atração turística nem sempre é uma vantagem, mas a facilidade de circulação pela cidade sim. Considere também o acesso de/para o aeroporto/estação de trem/estação de ônibus pelos quais você vai chegar e sair. Mesmo que o hostel não seja super central, se houver uma estação de metrô por perto já tá ótimo, principalmente no caso de cidades grandes e caras como Londres. E nesse quesito entram também os arredores, que você tem que avaliar a partir dos comentários de quem já visitou (ou de algum amigo que conheça a cidade): a área é segura? É tranquilo voltar pra lá à noite? Tem supermercados e outras facilidades por perto?

Meu hostel em Dublin: Numa área ótima e perto do ônibus pra o aeroporto, dos pontos turísticos e dos bares

Meu hostel em Dublin: Numa área ótima e perto do ônibus pra o aeroporto, pontos turísticos e bares

4. Tipos de quarto. Em albergues, o tipo de quarto pode variar muito (desde “privativo com banheiro” a “compartilhado com 9836 pessoas e com um só banheiro no corredor pra 76 quartos” hehe), então coloque na balança seu orçamento e seu nível de exigência pra decidir isso também. Outro fator a se observar é a disponibilidade de quartos femininos/masculinos/mistos. Ao viajar sozinha, costumo dar preferência a quartos femininos, mas quando o número de ocupantes é muito alto, não me preocupo tanto com isso (porque a probabilidade de serem todos homens é menor e porque nesses casos os quartos costumam ser maiores, então me sinto mais confortável).

5. Serviços. Em sites como o Booking você encontra uma lista com tudo que o albergue oferece. A importância de um ou outro item vai de cada um, mas costumo levar em consideração principalmente os seguintes:

– Lockers, para guardar suas coisas (pelo menos os itens mais valiosos, tipo dinheiro, documentos e equipamentos eletrônicos) com segurança, principalmente em quartos compartilhados com desconhecidos.

Locker (que fechava com o cartão-chave do quarto) no Wombat's City Hostel Viena

Locker (que fechava com o cartão-chave do quarto) no Wombat’s City Hostel Viena

– Cozinha compartilhada, que permite economizar um bocado nas refeições (vale fazer sanduíche pra comer na rua na hora do almoço e cozinhar o jantar quando voltar, por exemplo);

– Se o café da manhã é gratuito ou não – ainda que a existência da cozinha compartilhada e de um supermercado por perto torne esse item menos relevante (mas eu confesso que sou muito fã dessa refeição e adoro acordar e me empanturrar sem ter que preparar nada – e sair de barriga bem cheia ajuda a economizar durante o dia hehe);

Sala do café da manhã. O bufê fica do outro lado

Sala do café da manhã (pago) no Wombat’s City Hostel Viena

– Depósito de bagagem. Se você for sair da cidade depois do horário de check-out, é bom ter um lugar pra deixar as malas enquanto você passeia e voltar pra pegar depois. Nunca fiquei num albergue que não oferecesse isso, mas é bom checar.

– Wi-fi grátis ou não. Acho um abuso pagar por wi-fi hoje em dia. Ainda que isso não seja um serviço super essencial, é útil poder checar no seu smartphone os horários de uma atração, por exemplo, quando seu 3G não funciona no lugar visitado. Além disso, já tive que trabalhar durante viagens (usando a internet), e se for seu caso não se esqueça de conferir esse item.

– Ar condicionado ou aquecedor. Dependendo do destino e da época do ano, esses itens podem ser fundamentais.

– Recepção 24 horas. Alguns lugares menores não têm gente na recepção o tempo todo, então se você for chegar tarde da noite ou muito cedo pela manhã, é importantíssimo verificar se será possível fazer o check-in ou pelo menos entrar e deixar suas coisas. Em certos albergues, você precisa informar seu horário de chegada pra que alguém fique lhe esperando; em outros, você tem que ligar pra um número de telefone ao chegar, o que pode ser complicado em outro país.

– Lençóis incluídos. Acho que hoje em dia quase não existem albergues que exigem que você leve seu lençol ou pague pelo aluguel, mas é bom conferir pra evitar surpresas se calhar de você ir num dos poucos que cobram taxa extra pela roupa de cama.

– Elevador. Se você tiver muitas malas e algum problema de coluna ou de mobilidade e o albergue tiver vários andares, é bom saber se você vai ter que subir mil escadas carregando suas tralhas.

– Área comum. Pra quem quer socializar, é importante a existência de uma área comum, normalmente em forma de “lounge” junto à recepção. Alguns albergues têm sala de TV, sala de jogos, bar etc, mas pra mim isso tudo é “plus”.

Parte da área comum do ótimo Equity Point Lisboa

Parte da área comum do ótimo Equity Point Lisboa

– Toalhas pra alugar. Se você não tiver uma toalhamaravilhosaquesecarápido (assunto de um próximo post), pode ser chato levar uma toalha gorda (e por vezes molhada) na mala, especialmente se você estiver viajando com companhias low-cost. Se você optar por não levar uma toalha (ainda que o Guia do Mochileiro das Galáxias considere este item indispensável), não se esqueça de verificar se os albergues onde vai ficar podem alugar uma – e veja quanto custa o aluguel (deve ser algo em torno de 2 euros, na Europa).

– Estacionamento. Pra quem tá viajando de carro, é bom saber se existe estacionamento no local ou lugares fáceis e seguros pra parar o carro nas proximidades.

– Outras coisas como luz de leitura individual, máquina de café, máquina de lanches, terraço ao ar livre, piscina, aluguel de secador de cabelo, aluguel de bicicletas, troca de livros etc. não são itens essenciais, né? Eu só levo em consideração a existência dessas outras coisas quando tou em dúvida entre dois lugares que preenchem todos os requisitos anteriores :)

6. Os comentários. O Booking e outros sites de reserva têm um espaço pra reviews de quem já ficou no lugar. Apesar de muito útil, essa é a parte mais capciosa, já que não é simples confiar na opinião alheia. Tem gente de todo tipo, gosto, interesse e nível de frescura exigência nesses sites, então o que foi péssimo pra outro pode ser ok pra você e vice-versa. Eu costumo dar especial atenção aos comentários de quem deu uma má pontuação ao local, pra ver as reclamações. Ainda assim, muitas vezes os objetos de reclamação me parecem besteira e por isso reservo assim mesmo. Outro recurso interessante desses sites é que eles costumam mostrar quantos comentários a pessoa já deixou antes, e teoricamente as opiniões de quem já ficou em muitos albergues são mais confiáveis do que as dos “principiantes”. De todo jeito, costumo confiar na maioria: se 15 pessoas tão dizendo que naquele lugar tem “bed bugs” ou que os banheiros são nojentos, fecho a aba do navegador na mesma hora :P E outros fatores são mais subjetivos e variam de acordo com sua preferência: você quer tranquilidade ou agito? Provavelmente, alguém vai estar comentando se o lugar é bom pra conhecer pessoas ou se é muito barulhento, por exemplo.

Resumindo: a escolha pode dar um pouco de trabalho, mas vale a pena dedicar um tempinho pra garantir que a hospedagem é no mínimo decente ;) E você, o que considera mais importante na hora de escolher um albergue? Conta aí nos comentários!

Leia mais:

Albergues: Vantagens e desvantagens

Contrate seu seguro viagem com desconto na Mondial Assistance
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

6 Comentários

  1. Olá Luisa!

    Adorei esse post, bastante essencial principalmente pros mochileiros de primeira viagem (eu, ehehe!) Quando fui viajar para a Europa pela primeira vez no começo do ano, eu tive a sorte de me hospedar na casa de pessoas que eu conhecia, o que facilitou muito e também economizou. Mas sei que não vai ser assim quando eu for visitar outras cidades/países, então achei bastante interessante para mim esse post, como avaliar cada hostel e tudo mais, já que é um pouco diferente de hotel, principalmente por causa do convívio constante com outras pessoas.

    ~Mona

    P.S.: sempre visito o seu blog, adoro ler tudo <3

    • Oi, Mona! Que feliz que você gostou do post. Realmente é um pouco diferente escolher hotel e hostel; existe um bocado de variáveis distintas. Ficar na casa de amigos/conhecidos é ótimo (inclusive pra sentir melhor a vida “como um local”), mas espero que você tenha a oportunidade de se hospedar em albergues legais no futuro :) E que bom também que você sempre vem por aqui, muito obrigada! ^^ Um abração

  2. Rejane Ferreira

    adorei o post. quando estou procurando um lugar para me hospedar procuro sempre um que me dê certeza da higiene, que tenha acessibilidade, a localização e se tem transporte por perto. acho os albergues que você fica sempre uma graça. São viáveis para pessoas da minha idade? bjs

    tia nhane

    • alguns são sim, tia! se você for pra algum desses lugares eu te digo se acho que valem a pena :D localização e higiene realmente são pontos fundamentais :) beijo!

  3. Mila

    Bem legal seu post Luisa! Curto muito ficar em Hostel! Sempre fico durante as minhas mochiladas. Já fiquei em hostel classe A e em hostels malucos! srsrsrrsrsr!!!!

    Gostei de ambas as experiências, mas confesso que me ajudou muito ter a mente sempre aberta pra ver de “um tudo”! hahahaahhah!!!!!!! Beijos!

    • Oi, Mila! Que bom que você curtiu o post, obrigada pelo comentário! ;) E que ótimo que você é adepta desse tipo de hospedagem e valoriza justamente toda a “diversidade” que pode existir nos albergues :D hahaha. Até os perrengues valem a pena pelas histórias que a gente tem pra contar, né? Um abraço!

Deixe o seu comentário