Viagem pra Dentro

Você consegue viajar sem comprar?

Viagem pra Dentro | 17/11/15 | Atualizado em 06/05/19 | 4 comentários

Todo mundo já viu incontáveis memes sobre a alta do dólar, né? A gente ri pra não chorar, mas a verdade é que essa mudança tem um impacto grande num hábito que muitos brasileiros amam: as viagens de compras ficaram mais caras e deixaram de ser tão vantajosas.

Mas nem sempre foi assim. Em 2010, por exemplo, os brasileiros eram os que mais gastavam per capita em suas visitas aos Estados Unidos, com uma média de quase 5 mil dólares por pessoa. E nem precisava de números pra gente ter noção disso, né? Quem aí não conhece alguém que já viajou com uma mala vazia, só pra trazer mil coisas de volta?

Não falta material na internet com dicas de compras no exterior, de guias das melhores lojas a pesquisas que apontam as cidades mais indicadas pra esse tipo de turismo. Sem falar nas agências com pacotes especializados pra quem quer gastar lá fora.

Não, esse não é um manifesto contra o turismo de compras. Mas será que não vale a pena parar e pensar em como lidamos com essa relação consumo x viagens?

Por que viajar sem comprar?

Há coisas que o dinheiro não compra

Obrigada, Mastercard, por nos salvar em momentos de necessidade capitalista. Mas com o perdão do clichê, vale mais a pena colecionar experiências do que coisas. E os melhores momentos da vida e das viagens não precisam de muita (ou nenhuma) grana. Afinal, quando você faz uma viagem incrível, o que vai ficar na memória são as coisas legais que conheceu e viveu por lá, e não os objetos que trouxe de volta, né?

Caminhar pelas ruas de uma cidade desconhecida, observar como as pessoas se relacionam, sentir os diferentes cheiros, conhecer gente, ver um pôr do sol lindão de uma vista incrível. Se libertar da rotina de sempre e aproveitar a simples alegria de estar num lugar novo… Tudo isso é maravilhoso. E não pesa muito no bolso. Nem na mala.

Leia mais:

15 dias para economizar em viagens
Como economizar para fazer a viagem dos seus sonhos

Comprar menos = viajar mais

“Olha, ela tá indo pra Paris, deve ser rica!”. Será? Já passei uma semana na Cidade Luz gastando uma média de 15 euros por dia. Pra isso, me hospedei na casa de uma amiga e economizei nas refeições.

Entrei de graça em museus, porque era estudante na Europa, e comprei apenas duas coisas – um caderninho e uma latinha decorativa – depois de muito refletir se as compras valiam a pena. E esse é só um exemplo; tem até quem viaje sem gastar absolutamente nada, como Aline, que passou três meses pela Europa sem dinheiro.

É claro que ninguém é obrigado a viajar no modo perrengue, mas já parou pra colocar na ponta do lápis o quanto gasta com as comprinhas que faz aqui e ali? Sem falar no quanto vai economizar deixando de pagar excesso de bagagem e taxas extras pra despachar as malas em voos low cost. Somando tudo, é bem capaz de você alcançar o valor de mais algumas diárias de hotel ou até uma passagem pra as próximas férias.

Se for difícil resistir, use essa estratégia: sempre que estiver em dúvida sobre alguma comprinha, pare e pense nas coisas legais que poderia viver com esse dinheiro. O que pesa mais na sua balança?

A classe média brasileira

É possível que o perfume importado e as roupas de marca pesem muito na sua balança, e não por acaso. Vivemos numa sociedade capitalista e somos levados a crer que precisamos consumir produtos e serviços o tempo todo. Mas por que será que o Brasil despontou como campeão de compras em pesquisas como aquela que citei lá em cima?

Somos escravos dos supérfluos e nossa classe média (da qual faço parte) tem tendência a dar um valor absurdo às coisas que as pessoa têm, acima do que elas são, chegando até a se endividar pra alcançar o objetivo de acumular mais e mais coisas. E ter algo comprado no exterior ainda é questão de status, especialmente pra quem dá valor a marcas. Mas será que isso é realmente importante pra você ou é só algo que valoriza pra atender a uma pressão da sociedade?

A obrigação do souvenir

Falando em pressão: faz pouco tempo que ir pra o exterior deixou de ser aquela ocasião especial que exigia um investimento altíssimo, pra qual as pessoas usavam roupas luxuosas e faziam um super auê. Nessa época, dava pra entender um pouco melhor por que voltar de uma viagem de mãos abanando era considerado absurdo.

Como você ia perder a oportunidade de mostrar às pessoas queridas que lembrou delas num lugar aonde elas não vão nem tão cedo – ou de mostrar à sociedade que teve o superprivilégio de ir além das fronteiras nacionais?

Quando eu era criança, minha mãe ia à Inglaterra com certa frequência devido ao trabalho, e sempre trazia mil tralhas estampadas com a bandeira britânica. Cofre em formato de cabine telefônica, uma borracha que fazia as vezes de ônibus double decker, camisetas com desenhos de soldadinhos e muitos etcéteras me faziam sonhar com a terra da Rainha numa época em que eu nem tinha acesso à internet, mas no fim das contas só faziam se acumular no meu quarto.

Depois de alguns anos, eu e minha irmã pedimos pra ela não trazer mais souvenirs e guardar o dinheiro pra algo mais importante. Mas não é só da minha mãe que eu tou falando, é claro. Quem nunca viajou com uma lista de pessoas pra quem precisava comprar presentes, pra não correr o risco de esquecer ninguém?

É claro que se você encontra aquela coisa incrível que é super a cara de fulano ou cicrana e se você pode pagar, não tem por que não comprar. Mas ter isso como obrigação, penso eu, é ruim pra todo mundo.

Afinal, se beltrano trouxe um chaveiro de Torre Eiffel pra você quando foi à França, lá vai você ter que se preocupar com alguma coisa pra trazer pra ele também – às vezes até do mesmo destino. Ou seja: se todos cortassem o fator “presentinhos” dos orçamentos de viagem, todos poderiam aproveitar mais os destinos e viajar mais!

E se em vez de comprar coisas, a gente viajar pra “comprar” ideias? Colaborei com esse texto bem legal do blog Tripping Unicorn, que reúne ideias de vários países que valeriam ser “importadas” e compartilhadas com amigos e vizinhos na volta pra casa, ao invés da típica lista de lembrancinhas.

Às vezes vale a pena – ou não

Sim, eu compro quando viajo. Basicamente roupas, porque acho os preços praticados no Brasil muito absurdos. Nossos impostos são altos, o tal do “custo Brasil” não ajuda e tem, também, nossa mania de achar que só o que é caro vale a pena, que certamente influencia os altos preços de certos produtos.

Além disso, gosto de algumas lojas de departamento que não existem aqui. Por isso, prefiro economizar o ano todo, comprando o mínimo possível, pra gastar bem menos comprando algumas roupas em uma viagem que eventualmente faça ao exterior.

Mas nessa onda, já acabei trazendo pra casa coisas que “valiam a pena” comprar, mas que acabaram ficando guardadas no armário. A questão é achar o equilíbrio entre comprar o que realmente precisamos e aquela empolgação de “eita, vou aproveitar porque isso no Brasil seria o triplo do preço!”.

Com o tempo, tenho aprendido a pesar melhor o que realmente vale o investimento. Afinal, se não tomarmos cuidado vamos acabar com uma casa cheia de coisas que estavam “com um preço ótimo” e que não usamos nunca.

Desentulhe sua vida

“Não se deixar escravizar por suas posses” é um dos mantras da moda minimalista que pipocou há alguns anos. A ideia é se livrar dos excessos pra poder se concentrar no que é realmente importante pra nossa felicidade. Desapegar. “Desentulhar” sua casa e sua vida – ou declutter, como se fala tanto em inglês. Deixar de se sacrificar pra possuir mais e mais, em um processo que costuma gerar mais estresse e caos do que satisfação.

E olha o que é melhor: viajar pode te ajudar muito nessa mudança. Pelo menos foi o que aconteceu comigo. Depois de passar um ano vivendo com coisas que cabiam dentro de duas malas (e ainda podia ter sido menos), percebi que não preciso de todas as tralhas que acumulo na minha casa. Ao me mudar pra um apartamento menor, me livrei de um terço das minhas coisas e percebi que posso, no futuro, liberar ainda mais espaço – no meu quarto e na minha vida.

Ter mais coisas significa mais trabalho pra organizar, limpar e guardar tudo. Significa também que vai ser mais difícil você lembrar da existência de boa parte delas – quem nunca se esqueceu totalmente de uma peça de roupa guardada no fundo do armário, por exemplo? Quando você desapega, fica mais leve em todos os sentidos.

Naturalmente, sua mentalidade em relação às compras vai mudar no dia a dia e nas viagens (quando temos que carregar todas as nossas posses nas costas ou sobre rodinhas). Afinal, você percebeu que precisa de pouca coisa e que fica mais fácil viver com pouca coisa – então por que diabos vai comprar todos aqueles trecos que não vão servir de nada?

Quanto vale seu dinheiro?

No fim das contas, cada um tem que pesar, na sua consciência e de acordo com suas possibilidades financeiras, o que merece ser comprado ou não. Mas a quem interessar, proponho um desafio: tentar comprar no máximo duas lembrancinhas na próxima viagem. Se for pra o exterior, aproveita que tá tudo caro e desapega! ;) Quem topa?

Já curtiu a página do Janelas Abertas no Facebook? Clique aqui pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens. 

Vai viajar pra o exterior? Não deixe de fazer um seguro viagem! Contrate o seguro que eu sempre uso :) Neste post você encontra um código de desconto. Você economiza e ainda ajuda o blog a se manter vivo.

 

Posts Relacionados

4 Comentários

  1. Nayara

    Que interessante esse texto! Estava refletindo sobre isso de alguns meses pra cá, e esse texto veio na hora certa, era tudo que eu precisava ler e fazer ainda mais sentido pra mim. Adoro seu blog, sempre tento me manter atualizada nos posts…
    Voltando ao post, é isso mesmo. É a realidade dos brasileiros e eu estou incluída nessa de gastar aleatoriamente só pelo ato de comprar e ter como a necessidade de ter tal coisa. Mas coloquei os pés no chão, agora ando com 50 reais na carteira pra alguma emergência, deixo meus cartões em casa, e deixei de comprar principalmente esmaltes, produtos pra cabelo (já que estou em transição capilar) e sapatos. Todos esses itens são exagerados na quantidade hahaha
    E está sobrando mais dinheiro..e que minha viagem saia o ano que vem e escolhi o Peru, já que tenho uma amiga lá..e economizo na hospedagem. Priimeira viagem de navio e internacional… Também quero sentir essa liberdade.
    Beijos Luisa :**

    • Luísa Ferreira

      Oi, Nayara! Que bom que você gostou do post :D É importante mesmo a gente identificar o que mais pesa no nosso orçamento e que pode ser cortado sem prejuízo à nossa qualidade de vida, né? Boa sorte e boa viagem, vai ser ótimo lá no Peru :) Um abraço!

  2. Nayara

    Ops,primeira viagem de avião e internacional.

  3. Marcia Patricia

    Luísa

    Parabéns pelas contribuições
    Conheci hoje (ops! Ontem pq passou de meia noite) sua página e não consigo parar de ler
    Sucesso

Deixe o seu comentário