Viagem pra Dentro

Nem sempre viajar é a resposta

Viagem pra Dentro | 27/06/14 | Atualizado em 22/08/14 | 6 comentários

Não, eu não desisti do blog e tou fazendo apologia antiviagem (pausa pra você comemorar, hehe). É que eu li no perfil de um cidadão numa rede social uma frase que me chamou atenção: “Uma pessoa vale o quanto ela viaja”.

Não, meu amigo. Como dizem por aí, você está fazendo isso errado.

Viajar não garante upgrade do valor de ser humano nenhum. Viajar não é, tampouco, a grande solução para todos os seus problemas, certeza de felicidade incondicional ou passagem garantida para o paraíso. Quem me dera! ;)

Pra começar, um fato óbvio: nem todo mundo gosta de viajar. Tem quem prefira ficar em casa, ame sua rotina, sinta muito mais carinho pelo apartamento montado com tanto cuidado do que pelas milhas aéreas, e não há nada de errado nisso.

Outra obviedade: tem quem não tenha grana pra fazer nem mesmo a viagem mais econômica possível, porque faltam coisas muito mais básicas e urgentes. E mais uma: tem também momentos nas nossas vidas em que simplesmente não é hora de cair no mundo.

Sim, esse é um blog de viagens (ainda que num sentido mais amplo). Mas não quero, deusmelivre, passar a impressão de que acredito nas viagens como entidades superpoderosas e fundamentais pra realização pessoal de toda e qualquer pessoa. Como já falei aqui algumas vezes, pra mim as viagens de verdade, dessas que mexem com a gente, são muito mais um estado de consciência do que um ponto no GPS.

viajar_resposta

Você tem um travel monster dentro de si? Maravilha! Tamos juntos. Ainda assim, criar expectativas demais em relação a uma viagem pode ser bem ruimSair da zona de conforto, abraçar o desconhecido, se desafiar, ultrapassar barreiras e conhecer outras culturas são todas ações muito poderosas, com potencial de mudar sua vida. Mas não necessariamente isso vai acontecer.

Se as condições não forem propícias – tanto dentro quanto fora de você -, a viagem pode não ser assim tão enriquecedora. E se a motivação for uma fuga, você pode perceber que a distância física não é suficiente pra se afastar de certas coisas e que nem sempre adianta cruzar oceanos se você foge de algo que faz parte de você.

Outra coisa que às vezes nos escapa é que tampouco é necessário ir muito longe pra viver experiências transformadoras ou pra ver a vida de outra forma. Em geral, é mais difícil fazer coisas diferentes na sua própria cidade, ficar atento aos pequenos prazeres da vida no meio da rotina de sempre e encontrar a beleza que existe no cotidiano cinzento. Mas existe algo de perigoso, creio eu, em depositar toda sua esperança de felicidade em algo que geralmente não pode ser uma constante em nossas vidas. E, nesse processo, se esquecer de todas as outras coisas lindas que tão ali do lado :)

Sim, esse é um blog de viagens, e não por acaso. Viajar é algo que tem feito de mim quem sou, e lembrar de como me senti ao viver diversas experiências longe de casa me traz infinitos apertos de saudade. Viagens são e acho que sempre serão prioridades pra mim.

Ainda assim, precisava tentar contribuir um pouco, assim como já têm feito outros blogueiros, pra desmistificar esse auê simplista de quem fala que viagens são o único gasto que te deixa mais rico, por exemplo. E a grana que você investiu em livros, cursos, filmes, espetáculos? E o dinheiro desembolsado pelos seus pais (ou por você mesmo, se tiver filhos) pra sustentar uma nova pessoinha nessa vida e testemunhar sua descoberta do mundo? Isso tudo não te enriqueceu como pessoa?

Digo tudo isso não só pra você que tá me lendo, como pra mim mesma. Não acredito que o bichinho da viagem jamais vá adormecer em mim, e nem quero que isso aconteça. Não se passa um dia sem que eu pense num dos próximos destinos a visitar, nas tantas coisas que esse mundão ainda guarda pra eu descobrir.

Mas repito (sim, eu me repito muito ^^): encaro esse verbo que tanto apareceu nesse post – viajar, viajar, viajar – como um processo muito mais amplo do que comprar passagens e pesquisar pontos turísticos. E como algo tão especial que não pode, ou não deve, ser transformado em dogma.

Pra terminar o blábláblá: enquanto você não pode cruzar fronteiras – sejam elas da sua cidade, estado ou país -, que tal criar estratégias pra sentir um gostinho do que as viagens podem trazer (novidade, troca, deslumbramento, aprendizado etc e tal)? Frequentar encontros do Couchsurfing na sua cidade, conversar com gente de fora pela internet, explorar sua cidade como você se fosse de fora, conhecer outros bairros e comunidades, ver filmes inspiradores, ler, ouvir música… As possibilidades são quase infinitas \o/

E você, o que pensa sobre isso? E o que faz pra viajar enquanto não pode viajar? :)

Posts Relacionados

6 Comentários

  1. Erika

    Oi, Luisa.
    Acabei de conhecer seu blog porque estou programando uma… viagem! E confesso que não poderia ter encontrado melhor “primeiro post” para voltar ao Janelas Abertas do que este. Porque acho que toda viagem é uma oportunidade de conhecer o novo que existe dentro e fora da gente, mas também concordo com você que o maior desafio é manter este olhar no dia a dia, na rotina. Muito prazer em conhecê-la!

    • Luísa Ferreira

      Oi, Erika! Que coisa boa ler seu comentário :) Espero que sua viagem seja uma delícia e que a gente consiga vencer esse desafio no dia a dia ;) O prazer é meu! Um abraço.

  2. UBIRACI AMORIM

    Luisa Ferreira… Nunca ouvi falar nem desconfiava da sua existência… No entanto, sempre achei que essa maneira de pensar, não poderia ser algo único e, em uma única pessoa, no caso, eu. Sempre pensei assim. E agora, pesquisando blogs do assunto, dou “de cara” com você… É isso mesmo e você tem toda razão! Mas, como quero falar de viagens, vou logo dizendo que construímos uma família linda (eu e minha mulher), trabalhamos por mais de 3 décadas e hoje aposentados e tendo cumprido nossa maior missão, a de Pais (porquanto nosso “garoto” já tem vida própria e bem estruturada), estamos agora, vivendo um das partes mais legais de nossas vidas, que é viajar!!! No decorrer desses muitos anos já passados, fizemos viagens ao exterior mas, de forma mais “contida” e com menos tempo de usufruto… Agora está diferente; porquanto tempo e gasto, está sob controle e a nosso favor… Nesses últimos 5 anos, temos viajado ao menos um vez/ano ao exterior e com bastante curiosidade de conhecer e ou rever cidades e lugares antes (como já citei) vistos apressadamente… O legal de tudo é que, assim que voltamos da viagem feita; poucos dias depois, começamos a elaboração da próxima… Tornou-se por assim dizer, nosso hobby. De fato, o “bichinho da viagem” (usando suas palavras), jamais irá dormir em nós também. Parabéns por esse seu blog muito bem elaborado e saiba que ele está já “reservado” em nosso “favoritos”. Um abraço e BOA VIAGEM!!!

    • Luísa Ferreira

      Oi, Ubiraci! Que alegria ler esse comentário :) Espero também poder um dia, assim como vocês, me orgulhar de toda uma vida construída e desfrutar do tempo e dinheiro mais do que merecidos pra conhecer o mundo com calma com meu companheiro. Desconfio que não tem hobby melhor do que esse ^^ Muito obrigada pela visita e comentário e volte sempre! :) Um abraço e boas viagens pra vocês também

  3. Mari Melo

    Olá Luisa. Bem realista seu post, gostei. Nós que gostamos de viajar somos mais prudentes com certeza não achamos que a viagem em si será a solução dos problemas, porém ajuda amenizá-los. Não fugindo deles mas respirando novos ares alivia a pressão. Achei essa frase na net bem interessante: “As pessoas esperam toda semana pela sexta-feira, todo ano pelo verão, toda a vida pela felicidade” (Alexsandra Zulpo). E eu pela próxima viagem sempre!…rsrsrsrs……
    OPS: sou cearense, moro em Recife sua cidade, tenho uma filha com o mesmo nome seu Luísa e amo viajar para correr maratonas mundo afora. Coleciono medalhas de maratonas(53), países visitados(55) e sonho visitar(infinito). Grande Abraço!

    • Pois é, Mari… Acho que parte do “segredo” é tentar encontrar a felicidade no que estamos fazendo agora, em vez de depender sempre de algo que só virá no futuro, né? Viajar é incrível, mas se não for possível fazê-lo sempre, vamos tentar buscar outras formas de nos transformar e sentir bem também :)
      Que coincidência que você mora no Recife e tem uma filha com meu nome! E que legal que já correu em todas essas maratonas, parabéns! Ótimas viagens e realizações de sonhos pra você :D um abraço!

Deixe o seu comentário