Viagem pra Dentro

Voos e laços: sobre se jogar no mundo e colecionar carinho

Viagem pra Dentro | 08/11/12 | Atualizado em 03/01/18 | 10 comentários

No começo era bem difícil. E foi por isso mesmo que eu resolvi ir em frente. Mas fui aos pouquinhos. Comecei com uma espécie de teste pra mim mesma, pra ver como seria estar longe de tudo que me era familiar. E aí não pude mais parar. O frio na barriga não é mais o mesmo, mas uma dose de apreensão sempre se faz presente. É natural, ainda mais em se tratando de alguém que sempre teve medo do que fugisse do esperado, do que não podia controlar. Mas o que a gente pode controlar, no fim das contas?
 
Meus passos ainda são pequenos, mas tou anotando a lição: dificilmente vai parecer fácil, mas o esforço sempre vale muito a pena. É preciso ir. Continuar indo sempre. Disso não dá pra esquecer.
 
Que a viagem em termos geográficos é uma maravilha acho que não preciso mais falar pra ninguém que lê esse blog, mas é inevitável bater na mesma tecla de vez em quando. Falar de como é bom viver em uma cidade com qualidade de vida e poder conhecer lugares novos sem gastar muito. Lembrar também de como é possível, aproveitando as oportunidades que aparecem, aprender muito na universidade e fora dela. E quem sabe descobrir, com uma dose de sorte e olhos bem abertos, possíveis novos caminhos.
 
 
Acima de tudo, queria falar de como o coração fica quentinho ao perceber que tem muita gente linda espalhada pelo mundo. Ao conhecer pessoas com histórias de vida bem distintas e ver que, ainda assim, milhares de quilômetros de distância não fazem de nós tão diferentes uns dos outros. Que o importante é estar aberto pra criar laços, mesmo sabendo que em breve as circunstâncias não serão as ideais. Porque carinho faz bem pro mundo e pra gente, como têm me ensinado desde antes de eu vir.
Por isso, resolvi abusar da paciência de vocês com mais um post nada prático, nada útil. Porque senti a necessidade de deixar registrado por escrito o agradecimento que venho fazendo todas as noites antes de dormir. Porque ainda não sei o que fiz pra merecer isso, mas a vida tem sido boa comigo. Porque sei que ainda tem muita coisa por vir e que tem muitos desafios por aí, mas tou cada vez mais disposta a abraçar até os buracos na estrada. Porque cada vez mais cresce a vontade de encontrar formas de dar algo de volta ao mundo.
 
Me perguntaram hoje onde eu queria parar. No meu ponto de partida, respondi, pra logo depois pensar em alguns embriões de novos planos. Mas calma. Um passo por vez. Até porque eu sou dessas que odeiam despedidas. E nessa vida dividida, a gente soma muito mais do que perde, sem dúvidas. Mas o coração acaba ficando um pouco cansado, às vezes, de ir deixando pedacinhos por aí. 
 
Uma amiga falou agora no Facebook de voos, laços e decisões. Não podia ser mais conveniente. Vamos combinar assim, então? Vamos continuar nos jogando, sempre. E, ao mesmo tempo, amarrando cada vez mais esses laços. Porque mesmo se estiver eternamente aterrissando no desconhecido, espero nunca estar sozinha.
 
Obs: A imagem que ilustra o post é do fotógrafo Haruo Ohara, que eu não teria conhecido se não fosse a querida Flora, lá do outro lado do mundo, dando seus próprios passos.

Posts Relacionados

10 Comentários

    • Rejane Ferreira

      Lulu, sempre fiquei admirada com seu jeito quietinho e cabeça em ebulição criativa. Só por seus sentimentos nesse post você merece tudo que está acontecendo de bom com você. Coisa boa é dar algo de volta ao mundo. Sem exageros. Como todos da nossa família Ferreira, a vida provavelmente será sempre dividida. Mas como você mesmo diz, se soma mais do que se perde. Continue escrevendo para divertir essa sua tia ‘ idosa ‘. hehehe! Beijos

  1. Luciana Aires

    Que post lindo, Lu. Muito inspirador e muito verdadeiro. Se tudo isso tá acontecendo contigo, é porque você tá aberta a isso e faz por merecer. Parabéns por tudo, que é tudo conquista tua! Um beijo.

  2. Fiquei toda arrepiada lendo teu texto. Não só por te conhecer e saber de todas essas coisas que você falou, mas também pela necessidade do laço. E de como é bonito ver os laços, aos poucos, se transformando em nós.Amo você, Lu. E morro de orgulho de ver você ficando cada dia mais linda. Por dentro e por fora.

  3. quer me fazer chorar, Nathália? sabes que és uma das pessoas que mais me acompanham mesmo de longe e me ajudam a seguir em frente, né? sua linda. te amo também!

  4. É exatamente como lu (aires) disse! Isso tudo de bom só está acontecendo porque essa é sua postura com o mundo: de braços abertos e cheia de carinho. E é isso o que vamos juntando no caminho. Beijo

  5. É exatamente como lu (aires) disse! Isso tudo de bom só está acontecendo porque essa é sua postura com o mundo: de braços abertos e cheia de carinho. E é isso o que vamos juntando no caminho. Beijo

    • Quincas

      Muito bom e sensível. Parabéns Luísa.

  6. Bea Brenner

    Lu, um texto escrito com a sensibilidade a flor da pele. De muita sabedoria para alguém que é tão jovem, mas que o pouco tempo de vida não tem lhe impedido de querer ver além do visível. O que tem ocorrido com vc é que tem ouvido a voz do seu coração. Va assim, querida. continue a ouvi-lo. Sua alma agradece e todos nós com quem vc tem compartilhado. Namastê!

Deixe o seu comentário